Música

Dead Combo com espetáculos “especiais” em Lisboa e Guimarães no início de 2019

Os Dead Combo marcaram dois espetáculos para fevereiro e março de 2019, que vão contar com a participação dos norte-americanos Mark Lanegan e Alain Johannes, no âmbito da digressão Odeon Hotel.

Jose Coelho/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Os Dead Combo marcaram dois espetáculos “especiais” para fevereiro e março de 2019, em Lisboa e em Guimarães, que vão contar com a participação dos norte-americanos Mark Lanegan e Alain Johannes, no âmbito da digressão Odeon Hotel.

A banda de Tó Trips e Pedro Gonçalves atua a 28 de fevereiro no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, e, a 2 de março, no Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, de acordo com a editora discográfica Sony, num comunicado divulgado esta sexta-feira.

Estes dois espetáculos “especiais”, porque contam com a participação dos músicos norte-americanos Mark Lanegan e Alain Johannes, inserem-se na digressão de “Odeon Hotel”, editado em abril, altura em que a banda iniciou uma digressão que “se estenderá até final de 2019 e conta com mais de cinquenta espetáculos realizados de norte a sul do país, incluindo as ilhas e algumas incursões por diversos países europeus e da américa”.

Mark Lanegan dá voz a “I Know, I Alone”, um dos temas de “Odeon Hotel” e “um dos mais belos poemas escritos em língua inglesa por Fernando Pessoa”, e Alain Johannes é o responsável pela produção do disco que a banda editou em abril.

“Odeon Hotel” será reeditado no início do próximo ano, e a Sony adianta que a reedição incluirá o “registo audiográfico do espetáculo da banda no festival de Paredes de Coura, este ano, que contou com a participação de Mark Lanegan”.

Na digressão de apresentação de “Odeon Hotel”, a banda apresenta uma nova formação, que inclui, além de Tó Trips e Pedro Gonçalves, Alexandre Frazão (bateria), Gui (sopros) e António Quintino (contrabaixo).

“Odeon Hotel” é um trabalho mais de “banda”, em que a bateria está mais presente e o rock surge de forma mais vincada, como disse à Lusa, em abril, Tó Trips, a propósito da edição do disco. “Talvez seja o álbum mais rock” em quase 15 anos de carreira, sublinhou.

O título do álbum surgiu por acaso – tiraram fotografias para a capa do disco no Cinema Odeon -, mas acabou por fazer sentido para a banda.

“Os hotéis são pontos de passagem. Pessoas de vários estratos sociais e de várias raças, que param num sítio e que estão de passagem – são um ponto onde se juntam diferentes expressões”, tal como a sonoridade dos Dead Combo, realçou na altura Tó Trips.

Os Dead Combo surgiram em 2003, com Pedro Gonçalves e Tó Trips a criarem composições instrumentais marcadas pelo rock, pelos blues e pela tradição da música portuguesa, bebendo também influências que se estendem à morna, bossa nova e flamenco.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)