Rádio Observador

Brexit

Brexit está a afastar trabalhadores do Reino Unido

A saída da União Europeia está a desencorajar a chegada de trabalhadores estrangeiros ao Reino Unido, tanto europeus como extracomunitários, alertou o Instituto de Pessoal e Desenvolvimento.

HANNAH MCKAY/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A saída da União Europeia está a desencorajar a chegada de trabalhadores estrangeiros ao Reino Unido, tanto europeus como extracomunitários, alertou esta segunda-feira o Instituto de Pessoal e Desenvolvimento (CIPD), associação profissional britânica para a gestão de recursos humanos.

Apesar de muitas empresas continuarem a querer contratar, 70% encontraram mais dificuldades em preencher vagas existentes e 44%, no total de mil empresas consultadas, reconheceram que a situação piorou nos últimos 12 meses, refere o estudo divulgado esta segunda-feira pelo CIPD.

“Esta situação está a ser exacerbada por uma diminuição relativamente significativa do número de migrantes da UE e não membros da UE que estão empregados no Reino Unido”, refere.

De acordo com as estatísticas oficiais mais recentes, o número de trabalhadores não britânicos no Reino Unido diminuiu em 58 mil entre o segundo trimestre de 2017 e o segundo trimestre de 2018, comparado com um aumento de 263 mil do segundo trimestre de 2016 para o segundo trimestre 2017.

A organização vinca que, “ao contrário da narrativa popular, o choque na oferta de mão-de-obra está a ser motivado principalmente pela queda do interesse de migrantes de fora da UE, que diminuiu em 40 mil entre abril e junho de 2018, em comparação com um aumento de quase um quarto de milhão (225 mil) durante o mesmo período de 2017.

Esta tendência é confirmada também pelo fluxo de portugueses para o Reino Unido, refletido pelos registos na Segurança Social britânica, um requisito para poder trabalhar no país.

Entre junho de 2017 e junho de 2018 inscreveram-se na Segurança Social britânica 19.332 portugueses, menos 28% do que os 26.905 portugueses que se tinha inscrito entre junho de 2016 e junho de 2017.

Gerwyn Davies, analista de mercado de trabalho da CIPD, lamentou que o Reino Unido tenha deixado de ser “um lugar atraente para se viver e trabalhar para cidadãos não-britânicos, especialmente cidadãos não-europeus, durante um período de forte crescimento do emprego e baixo desemprego”.

A introdução de restrições aos vistos de trabalho para os cidadãos da UE, especialmente para os trabalhadores menos qualificados, a partir de 2021, após o fim do período de transição da saída do Reino Unido da UE, poderá complicar ainda mais as dificuldades de recrutamento atualmente sentidas, alertou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)