Rádio Observador

Companhias Aéreas

Presidente da companhia aérea angolana TAAG diz que acordo com a Emirates é para não repetir

O presidente da Comissão Executiva da TAAG rejeitou esta quarta-feira a entrada da companhia aérea Emirates no capital da transportadora aérea angolana.

JOAO RELVAS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente da Comissão Executiva da TAAG — Linhas Aéreas de Angola, Rui Carreira, rejeitou esta quarta-feira a entrada da companhia aérea Emirates no capital da transportadores aérea angolana, vincando que a experiência de gestão da companhia angolana pela Emirates “é para não repetir”.

“A experiência é para não repetir, mas isto engaja-me a mim, é a minha opinião pessoal, não sei o que os acionistas vão querer fazer no futuro”, disse Rui Carreira, quando questionado pela Lusa sobre se o regresso da Emirates à TAAG era uma possibilidade.

“Qualquer parceria tem sempre subjacente uma atitude comercial, uma estratégia comercial, portanto se a estratégia da TAAG se alinhar com a da Emirates, porque não”, questionou o antigo piloto, explicando depois que “o que a TAAG precisa é de capital, de financiamento, e a Emirates quando veio para Angola foi para gerir, não veio fazer uma injeção de capital”.

Em declarações à Lusa à margem da sua participação no ‘Portugal Exportador’, que esta quarta-feira decorre em Lisboa, organizado pela Fundação AIP, Novo Banco e AICEP, Rui Carreira disse que a empresa está à procura de capitais privados para expandir a atividade, mas não para já.

“Numa primeira fase serão apenas investimentos públicos mas a médio prazo a companhia vai estar aberta a capitais privados, quer angolanos, quer estrangeiros; é uma lufada de ar fresco no financiamento, que abre boas perspetivas” para novo financiamento e para a modernização da frota, quer em novos aviões quer nos atuais, disse o presidente da empresa.

Sobre as notícias que dão conta de um excesso de pessoal na empresa, Rui Carreira disse que “a avaliação está ainda a ser feita no detalhe” e explicou que “quando se diz que tem trabalhadores excedentários, compara-se com rácios de outras companhias e de outros países e não se tem muito em linha de conta as realidades do país que é Angola”.

Antes, na intervenção no painel sobre Angola, Rui Carreira afirmou que quer colocar a TAAG como a companhia número 1 na África subsaariana “na qualidade do serviço, na segurança dos passageiros e na pontualidade”, vincando que a companhia já é a mais pontual nesta região.

“Agora vamos atacar a vertente da qualidade dos serviços e da segurança, que é o mais importante”, concluiu.

Questionado sobre o impacto da visita do Presidente de Angola, João Lourenço, a Portugal, para a semana, Rui Carreira disse que o impacto não deverá ser significativo, vincando que “estando as relações políticas mais ou menos brandas, sempre houve um fluxo considerável de passgeiros entre Angola e Portugal”.

Certo é que o acordo aéreo assinado durante a recente visita do primeiro-ministro de Portugal a Angola, não deverá ter efeitos práticos imediatos, pelo menos para a TAAG: “Vamos ver como o mercado vai evoluir, mas neste momento não temos capacidade para aumentar muito mais as ligações já existentes, porque não temos aeronaves nem tripulantes, mas no médio e longo prazo acredito que vamos chegar ao número de frequências permitido pelo acordo”, disse o presidente da comissão executiva da TAAG.

O acordo prevê o aumento das frequências de 17 para mais de 20 ligações semanais entre os dois países, o que é “um grande desafio”, concluiu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brasil

Em nome do Brasil, peço desculpas /premium

Ruth Manus

Não, eu não elegi este governo. Mas o meu país o fez. Parte por acreditar na política do ódio, parte por ignorância, parte por ser vítima das tantas fake news produzidas ao longo do processo eleitoral

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)