Évora

Veja aqui o antes e depois da estrada que desabou em Borba

737

A estrada que ruiu entre os concelhos de Borba e de Vila Viçosa ficava junto a uma pedreira. Há duas vítimas mortais e pelo menos quatro feridos. Veja como era o local antes e como está agora.

Imagem da derrocada da estrada N255, onde ocorreu o abatimento de terras, tiradas por António Moizão

A estrada que ruiu entre os concelhos de Borba e de Vila Viçosa, no distrito de Évora, ficava junto a duas pedreiras: uma estava desativada e pertencia à Plácido José Simões S.A. e outra estava ativa e pertencia à A.L.A de Almeida. A derrocada arrastou para debaixo de um poço de água lamacenta dois trabalhadores da A.L.A. de Almeida, que trabalhavam dentro de uma retroescavadora, e pelo menos duas pessoas que seguiam em automóveis nessa estrada.

Há um vídeo do troço que ruiu esta tarde na página do YouTube da FlyMoments. Esse vídeo mostra como é a exploração de mármore em Borba. As imagens, captadas por drones no distrito de Évora, mostram o poço de água no fundo do buraco de onde se extraem blocos de mármore. Essa pedreira pertence à Plácido José Simões mas, apesar de estar desativada, havia operações de funcionários da A.L.A. de Almeida — a empresa vizinha — com o objetivo de alargar o buraco e fundir duas pedreiras. Veja como era o local antes da derrocada no vídeo aqui em baixo.

Um vídeo mais recente, publicado na rede social Facebook pelo semanário Linhas de Elvas, já mostra como ficou a pedreira depois de a estrada N255 ter desabado arrastando pelo menos quatro pessoas para o fundo. As imagens mostram um buraco de grande profundidade com um poço de água lamacenta no fundo. É debaixo desse poço que estarão as quatro pessoas que a Proteção Civil julga estarem submersas no local. Mas operações de resgate ainda não terão começado porque ainda há aluimento de terras.

Outro vídeo, também publicado no Facebook por Lino Amaro, mostra de uma forma mais aproximada o poço de água onde a retroescavadora e os dois ligeiros devem estar. Logo nos segundos iniciais do vídeo, é possível ver Lino a apontar para o local onde os veículos devem estar porque, segundo ele, é de lá que se podem ver bolsas de ar a chegar à superfície. Nas imagens é possível ver os blocos de mármore que seriam explorados na região.

Fonte do Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Évora confirmou ao Observador que houve um “abatimento de terras com arrastamento de trabalhadores para dentro de uma pedreira” e que há suspeita de “quatro a cinco vítimas submersas”. A origem desse aluimento ainda não é conhecido, mas o Comandante Distrital vai fazer um ponto de situação às 20h45, juntamente com o presidente da Câmara Municipal de Borba e o Corpo de Bombeiros.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)