Rádio Observador

Ministério Administração Interna

Ministro da Administração Interna anuncia formação de 600 novos agentes da PSP em 2019

O ministro da Administração Interna anunciou, em Torres Novas, a abertura de um novo curso de formação de agentes da PSP com 600 vagas, sublinhando que a aposta na renovação da polícia "é decisiva".

PAULO CUNHA/LUSA

O ministro da Administração Interna anunciou sexta-feira, em Torres Novas, a abertura de um novo curso de formação de agentes da PSP com 600 vagas, sublinhando que a aposta na renovação da polícia “é decisiva”.

Eduardo Cabrita presidiu ao encerramento do 14.º curso de formação de agentes da PSP, na Escola Prática de Polícia, em Torres Novas (Santarém), concluído por perto de 400 elementos (60 deles mulheres), que, a partir da próxima semana, serão colocados por todo o país. O ministro afirmou que o próximo curso, para 600 elementos, representa um crescimento de 50%, sendo “um dos maiores dos últimos tempos”.

Questionado sobre se estes números conseguem responder às saídas e à necessidade de reforço do efetivo policial, sublinhado pelo diretor nacional da Polícia de Segurança Pública (PSP), Luís Farinha, que apontou, no seu discurso, como “desejável” 800 novas entradas por ano, ou, pelo menos, nunca menos que as saídas, Eduardo Cabrita afirmou que “a questão não pode ser vista assim”.

“Foram autorizadas recentemente 400 pré-aposentações no próximo ano, há outras saídas para além dessas, mas, sobretudo, temos novos elementos tecnológicos, novas condições de apoio ao exercício de funções”, disse.

O ministro referiu ainda a negociação em curso com as Câmaras Municipais para a “redefinição da resposta, sobretudo nas áreas de maior densidade populacional”, o que permitirá “usar melhor os efetivos nas áreas urbanas mais significativas, dando uma maior eficácia na resposta”.

Para o governante, se 2018 “foi um bom ano para a PSP”, 2019 será igualmente “bastante positivo”. Em concreto referiu que em 2018 houve “o maior volume de promoções dos últimos 10 anos” (1.500 autorizadas), que cerca de 2.500 elementos passaram para o nível remuneratório seguinte e que mais de 15.000 polícias beneficiaram do descongelamento de carreiras, tendo sido promovidos.

“Nas três categorias, mais de 18.000 elementos beneficiaram este ano de alterações no estatuto profissional”, frisou. Eduardo Cabrita referiu ainda o aumento do investimento, até 2021, em infraestruturas e equipamentos, num valor global destinado às forças de segurança sob a alçada do MAI que ascende aos 450 milhões de euros, “o maior volume de investimento de sempre”.

Como exemplos referiu as 70 instalações atualmente em projeto ou já em obra e as cerca de 700 viaturas que entrarão em funcionamento no próximo ano, além do investimento, “também muito significativo, em armamento, em equipamentos de proteção individual e em apoio tecnológico”.

O ministro afirmou que a “presença de proximidade” que caracteriza a intervenção da polícia é motivo de “orgulho” para os portugueses, ao contribuir para que Portugal “seja avaliado por turistas e investidores como um dos países mais seguros do mundo, adequado à realização de grandes eventos”, como o Web Summit ou o Festival da Eurovisão.

Segundo afirmou, a criminalidade violenta e grave reduziu 8% em 2017 e 9% este ano, até ao final de outubro. Eduardo Cabrita realçou ainda a intervenção policial no porto de Setúbal, ao defender “a liberdade sindical” e afirmar “a importância estratégica da economia nacional e da sua vocação exportadora”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)