Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo diz que Sá Carneiro era o oposto do líder populista e provavelmente teria sido Presidente

Em conversa com alunos sobre o filme "Snu", o Presidente da República defendeu ainda que "parece muito difícil que ele não chegasse a primeiro-ministro" de novo, porque "teria tempo, era muito jovem".

TIAGO PETINGA/LUSA

O chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou esta quinta-feira que Francisco Sá Carneiro foi “o contrário de um líder populista” e que, se não tivesse morrido tão cedo, “teria provavelmente a chance de ser Presidente da República.”

Marcelo Rebelo de Sousa falava durante um encontro com alunos do ensino secundário e os atores Pedro Almendra e Inês Castel-Branco, que protagonizam o filme “Snu”, sobre a história de amor entre o antigo primeiro-ministro e fundador do PSD Francisco Sá Carneiro e Snu Abecassis, realizado por Patrícia Serqueira, com estreia marcada para março.

Neste encontro, o chefe de Estado contou que, pouco antes de embarcar no avião Cessna que cairia sobre Camarate, em 04 de dezembro de 1980, Adelino Amaro da Costa lhe deu conta de que “o estado de espírito de Francisco Sá Carneiro”, caso Eanes fosse reeleito nas presidenciais de 07 de dezembro, “era sair de primeiro-ministro e ir para o parlamento fazer uma travessia do deserto”.

Essa conversa com o então ministro da Defesa aconteceu quando “estava a fechar o Expresso, porque na altura era diretor do Expresso”, referiu Marcelo Rebelo de Sousa, adiantando que Amaro da Costa lhe disse que “Francisco Sá Carneiro sai do Governo”, mas “a Aliança Democrática (AD) continua, com outro primeiro-ministro”.

Durante esta iniciativa, organizada pelo Instituto Francisco Sá Carneiro, no Palácio de Belém, em Lisboa, o Presidente da República questionou “o que seria Portugal se não tem havido Camarate”, acrescentando: “Ninguém sabe, mas há coisas que parecem óbvias”.

Quanto ao papel de Francisco Sá Carneiro na vida do país, defendeu que “parece muito difícil que ele não chegasse a primeiro-ministro” novamente, porque “teria tempo, era muito jovem” ainda, “e provavelmente, mais tarde, se o quisesse, Presidente da República”.

“Nunca deixaria de ser politicamente militante. Teria a chance de vir a ser primeiro-ministro, mais tarde ou mais cedo. Teria provavelmente a chance de ser Presidente da República, porque ele não iria nunca desarmar”, reforçou.

Nesta intervenção, que durou cerca de uma hora, Marcelo Rebelo de Sousa mencionou também perante jovens de três escolas secundárias que, “no dia em que ocorre Camarate”, Sá Carneiro “tem uma reunião onde está quem viria a personificar a seguir a ele a liderança do partido e duradouramente a liderança do país e depois a Presidência da República: Cavaco Silva”.

Nessa reunião, em que esteve também Amaro da Costa, foi debatido “o problema do financiamento das Forças Armadas no Orçamento do Estado para o ano seguinte, que era um ponto muito polémico e complicada”, com os chefes militares, precisou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica


Ho! Ho! Ho! A greve chegou! /premium

Tiago Dores

A minha greve predilecta está a ser a dos enfermeiros. Para a viabilizar fizeram-se contas e iniciaram uma campanha de crowdfunding. Estamos pois na presença da primeira greve com um modelo de negócio

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)