Coreia do Norte

Ri Chun-hee, uma das caras mais conhecidas da televisão norte-coreana, vai ser substituída

Com a mais recente reformulação que a televisão estatal está a sofrer, Ri Chun-hee, conhecida por anunciar os grandes feitos da Coreia do Norte, vai ser substituída por uma apresentadora mais nova.

KIM HEE-CHUL/EPA

Anunciou com entusiasmo os testes nucleares levados a cabo pelos norte-coreanos. Deu — lavada em lágrimas — a notícia da morte de Kim II-sung, fundador da Coreia do Norte, e do seu filho Kim Jong-il. Era conhecida por estar sempre vestida de cor-de-rosa — daí a sua alcunha de “Pink Lady” — e pela voz e tom particulares com que anunciava os grandes feitos do país. Agora, Ri Chun-hee, um dos rostos mais conhecidos da televisão da Coreia do Norte, vai ser substituída na televisão estatal KCTV.

Segundo a Sky News, o lugar de Ri Chun-hee, de 75 anos, terá sido ocupado por uma das apresentadoras mais novas do canal, no âmbito da mais recente reformulação que a emissora estatal está a sofrer, fruto da vontade de Kim Jong-un, atual líder da Coreia do Norte, em “acompanhar o novo século e as suas tendências”.

Esta modernização, explicou um professor da universidade Dong-A ao canal norte-americano ABC News, “reflete-se nas produções do canal”, acrescentando que os espectadores norte-coreanos são cada vez mais expostos a informação externa, o que significa que o perfil e estilo de apresentação de Ri Chun-hee deixou de encaixar com os objetivos e mudanças do canal.

Na própria forma de apresentação, já existem mudanças. Há um foco cada vez maior nas pessoas e menos na ideologia, ou seja, enquanto os programas anteriores concentravam-se nos “grandes líderes” do país e nas suas conquistas, os programas mais recentes vão falar com os cidadãos comuns. Os próprios jornalistas, explica a Sky News, fazem mais trabalho de campo, num tom mais informal, com roupas mais modernas e sem recurso a folhas e mais ao teleponto.

Depois de ter estudado teatro na Universidade de Pyongyang, Ri Chun-hee começou a trabalhar na televisão estatal KCTV, a única na Coreia do Norte, ainda em 1971. Em 2012, no entanto, decidiu reformar-se para dar lugar à geração mais nova. Contudo, foi chamada quatro anos depois para anunciar ao mundo que a Coreia do Norte tinha concluído, com sucesso, um teste nuclear. Desde esse momento, a veterana tornou-se novamente num rosto regular na televisão norte-coreana para anunciar ao país as notícias mais importantes.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
França

Da fúria à revolta: a cidadania em armas.

Bernardo Marinho da Mata

Será que o movimento dos coletes amarelos resultará numa Revolução Europeia, como certos grupos acreditam? Possivelmente não, pois não haverá financiamento que os permita persistir em força no tempo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)