Hotelaria

Há 65 novos hotéis em marcha para 2019, 23 são em Lisboa

216

Portugal vai ter 65 novos hotéis. Só em Lisboa, serão mais 23 e 17 no norte do país. Espera-se que as receitas turísticas atinjam um novo recorde em 2018, estimado para os 17 mil milhões de euros.

Vista de hotéis no Marquês de Pombal, em Lisboa, Portugal

MANUEL MOURA/LUSA

Para o próximo ano, Portugal vai ter mais 65 novos hotéis. Segundo estima a Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), 23 hotéis vão abrir em Lisboa e 17 no norte do país. A maioria são de quatro e cinco estrelas. A notícia é avançada pelo Diário de Notícias na edição desta sexta-feira.

No que toca a Lisboa, a reabilitação urbana é a principal razão para a construção das novas infraestruturas na região. Além disso, Lisboa e Porto são as áreas que registam o maior número de dormidas de turistas e são também aquelas que têm tido mais procura por parte dos investidores, nomeadamente no setor hoteleiro, sendo por isso os destinos favoritos para pôr em marcha a construção de novos hotéis.

Do número total de hotéis que vão abrir no próximo ano vão fazer parte alguns que já estavam previstos abrir portas durante 2018. Por atrasos nas obras e outros motivos, a sua construção realiza-se agora em 2019. Os hotéis em marcha para o próximo ano são sobretudo de quatro e cinco estrelas e o setor vai continuar a apostar nos congressos e feiras internacionais que possam ser acolhidos nessas infraestruturas hoteleiras, especialmente em Lisboa e no Porto.

Em 2017, a hotelaria em Portugal recebeu quase 20,7 milhões de hóspedes, sendo que mais de seis milhões ficaram na área metropolitana de Lisboa e mais de quatro milhões na zona norte do país. Para este ano, espera-se que as receitas turísticas atinjam um novo recorde — estimado para os 17 mil milhões de euros.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)