Sporting

Dost, o Exterminador que não se cansa de ouvir AC/DC e já tem mais golos do que jogos no Campeonato

Leva oito golos nos últimos cinco jogos, chegou aos 100 encontros pelo Sporting e tem agora mais golos do que jogos no Campeonato, sendo também o melhor marcador da prova. Quem pára Bas Dost?

Bas Dost empatou de grande penalidade e fez o 3-1 no início da segunda parte após assistência de Bruno Fernandes

AFP/Getty Images

“Marcamos muitos golos e isso é bom. Estou feliz por ganharmos mais três pontos e amanhã estamos de folga”, atirou Bas Dost na zona de flash interview, após ter recebido o prémio de melhor jogador em campo. Como já é habitual nas aparições públicas, o holandês surgiu descontraído, a falar um português mais pausado para se fazer compreender da melhor forma. Ninguém queria saber naquele momento se a equipa ia ou não treinar no dia seguinte mas o internacional deixou a informação, como que a dizer “esta já está, agora vamos descansar para a próxima”. Ao todo, vão quatro vitórias seguidas e sempre a marcar.

“Hoje foi muito difícil. Na primeira parte não jogámos bem e o Desp. Aves parecia o Barcelona, incrível. Fez um grande jogo na primeira parte e o momento do penálti é muito importante. Marcámos, depois o Nani fez um golaço e na segunda parte chegámos aos 4-1″, resumiu a propósito do triunfo frente aos avenses onde voltou a marcar mais dois golos.

A chegada de Marcel Keizer a Alvalade acabou por ter o cruzamento do melhor de dois mundos: por um lado, Bas Dost, após longo período de paragem por lesão, estava a começar a chegar ao ritmo competitivo normal e vinha de uma série de três golos noutros tantos jogos; já o novo treinador, que nunca escondeu por onde passou a sua preferência por um esquema com uma unidade de referência na frente, encontrou no gigante a máquina ideal para concluir aquilo a que estava apostado em educar a equipa – jogar bem e criar oportunidades. Mesmo entre algumas poupanças iniciais, a fórmula resultou e em 326 minutos apontou seis golos (e mais assistências pelo meio) em quatro vitórias do Sporting.

Daí saltam outros dois números que mostram bem a influência do jogador nos leões e na Primeira Liga: por um lado, e depois de mais um bis, Dost saltou para a liderança da lista dos melhores marcadores, tendo agora mais um golo do que Dyego Sousa; por outro, e mais impressionante, passou a contar com uma média acima de um golo por jogo no Campeonato desde que chegou a Alvalade – em 68 encontros em duas épocas e meia, apontou um total de… 69 golos.

Depois do ataque à Academia, onde acabou por ficar como a principal face do terror pelo qual passaram os jogadores leoninos, o holandês de 29 anos avançou com a rescisão de contrato, teve propostas bem mais tentadoras em termos financeiros de outras ligas igualmente competitivas mas acabou por permanecer em Alvalade. Por gostar do clube, por gostar do país, por gostar do clima, por perceber que a família estava adaptada e em vias de crescer, como aconteceu. Em entrevista à TV do clube esta semana, a propósito dos 100 jogos pelos leões, respondeu que preferia a alcunha de Exterminador a Icerberg, mostrou a sua admiração por Lewandowski, admitiu que também faz “golos de m****” e falou sobre a música Thunderstruck dos AC/DC que se ouve sempre que marca em casa. “É uma canção que ganhou vida própria e já faz parte de mim”, disse. E o holandês, que marcou pela primeira vez dois ou mais desde que chegou ao Sporting (15.º bis) parece não se cansar de ouvi-la.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)