Conferências

Conferência para adotar pacto global começa esta segunda-feira em Marrocos e António Costa marca presença

Áustria, Hungria, Bulgária, Polónia, República Checa, Eslováquia e Letónia decidiram ficar fora do documento, juntando-se assim à rejeição de países como os Estados Unidos e Israel.

JALAL MORCHIDI/EPA

A conferência intergovernamental que será marcada pela adoção do primeiro pacto global para a migração começa esta segunda-feira em Marraquexe (Marrocos) e entre os líderes internacionais presentes estará o primeiro-ministro português, António Costa.

O chefe de governo português junta-se assim, entre outros representantes presentes na cidade marroquina, à chanceler alemã, Angela Merkel, e ao presidente do governo espanhol, Pedro Sánchez, países que também deram um apoio explícito ao Pacto Global para uma Migração Segura, Ordenada e Regular (GCM, na sigla em inglês), documento promovido e negociado sob os auspícios das Nações Unidas (ONU).

Dois terços dos 193 países-membros da ONU vão estar a partir desta segunda-feira, e até terça-feira, em Marraquexe, mas o encontro também será marcado por ausências e pela controvérsia que este documento, o primeiro do género, gerou nos últimos meses e nas últimas semanas.

Mesmo não tendo uma natureza vinculativa, o pacto está a dividir opiniões e expôs a divisão no seio da União Europeia (UE) em torno do fenómeno das migrações, com cerca de um quarto dos Estados-membros do bloco comunitário a recusarem subscrever o documento.

Áustria, Hungria, Bulgária, Polónia, República Checa, Eslováquia e Letónia decidiram ficar de fora do documento, juntando-se assim à rejeição de países como os Estados Unidos, Israel, Austrália e República Dominicana.

Entre as críticas apontadas, os países temem que o pacto leve a uma entrada descontrolada de imigrantes. O pacto, fruto de 18 meses de consultas e negociações entre os Estados-membros da ONU, tem como base um conjunto de princípios, como por exemplo a defesa dos direitos humanos, dos diretos das crianças migrantes ou o reconhecimento da soberania nacional.

O texto também enumera 23 objetivos e medidas concretas para ajudar os países a lidarem com as migrações, nomeadamente ao nível das fronteiras, da informação e da integração, e para promover “uma migração segura, regular e ordenada”.

A ONU classifica este documento como uma “conquista histórica” e, perante as críticas levantadas, tem realçado que o pacto deve ser encarado como uma declaração de intenções não vinculativa, “não vai impor nada a ninguém mas oferece soluções”.

A organização liderada pelo secretário-geral, António Guterres, também tem frisado que o documento não pretende encorajar a migração, nem visa impedi-la. O número de migrantes no mundo está atualmente estimado em 258 milhões, o que representa 3,4% da população mundial.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)