Netflix

Netflix produz a sua primeira série original africana

A Netflix vai produzir uma série originalmente africana. "Queen Sono" conta a história de uma espia que trabalha para uma agência sul-africana, com o intuito de melhorar a vida dos cidadãos.

"Queen Sono" deverá estrear no próximo ano na Netflix

JOHN G. MABANGLO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A Netflix anunciou esta segunda-feira a produção da sua primeira série original africana, “Queen Sono”, protagonizada pela atriz sul-africana Pearl Thusi, que irá estrear-se, na plataforma, em 2019.

A notícia foi confirmada pela Netflix na África do Sul e pela protagonista de “Queen Sono”, através das redes sociais.

“Estou muito orgulhosa e agradecida a todos os que contribuíram para que isto acontecesse. Este era o meu sonho desde criança. Façamos história”, sublinhou Thusi, numa mensagem na rede social Instagram.

A nova série da Netflix conta a história de uma espia de alto nível que trabalha para uma agência sul-africana, com o objetivo de melhorar a vida dos cidadãos do seu continente.

A personagem encarnada por Thusi envolve-se na missão mais perigosa até à data, segundo o ‘sítio’ de notícias sul-africano IOL, e tem de lidar simultaneamente com mudanças na sua vida pessoal e nas suas relações.

O realizador sul-africano Kagiso Lediga é o criador da série, que conta com Tamsin Andersson, também proveniente da África do Sul, como produtora executiva.

A atriz de 30 anos Pearl Thusi, proveniente de KwaZulu-Natal, que se situa na região oriental da África do Sul, é conhecida no seu país pela participação na telenovela “Isidingo” e em filmes como “Emoções à Flor da Pele”, de 2017, sendo também modelo, ativista e apresentadora.

A nível internacional, fez parte de produções como “The Scorpion King: Book of Souls”, de 2018, e interpretou a personagem Dayana Mampasi na série norte-americana “Quantico”, que se estreou em 2015.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)