Venezuela

Último jornal impresso na Venezuela crítico do Governo deixa formato em papel

O jornal venezuelano El Nacional, o último jornal nacional impresso na Venezuela crítico do governo de Nicolás Maduro, deixa formato papel e está agora disponível apenas em versão digital.

DAVID FERNANDEZ/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O jornal venezuelano El Nacional, o último jornal nacional impresso na Venezuela crítico do governo de Nicolás Maduro, saiu pela última vez em formato papel, estando agora disponível apenas em versão online.

Este é um “encerramento que não ocorre isoladamente, é produto e uma asfixia, produto de um desrespeito pelo pensamento crítico e pensamento diferente”, disse o secretário-geral do Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Imprensa (SNTP), Marco Ruiz, durante uma conferência de imprensa em Caracas.

O jornal, que teve a sua primeira publicação há cerca de 75 anos, enfrentou nos últimos anos uma asfixia financeira e perseguição política por parte do governo, de acordo com os donos daquele órgão de comunicação.

O seu editor-chefe, Miguel Henrique Otero, que está exilado em Espanha, disse esta sexta-feira, na última edição impressa do jornal, que a cessação da circulação é “uma consequência de anos de perseguição do Governo”.

“O Governo não nos deu acesso a papel para fazermos o jornal”, acusou.

“Este comportamento deixa em evidência a natureza autoritária e ditatorial do governo que não resiste a críticas porque não tem resposta às necessidades dos cidadãos”, denunciou o editor-chefe.

O Governo venezuelano tem controlado o papel importado e entregue aos jornais há cerca de cinco anos, medida que segundo o El Nacional e a Associação Nacional de Jornalistas (CNP) beneficia apenas aqueles que são coniventes com a política do Governo.

Nos últimos tempos o jornal continuava ‘vivo’ graças a doações dos media locais e de vários países.

Na quinta-feira, o administrador do jornal, Jorge Makiniotis, afirmou que nos últimos 15 anos o jornal eliminou 600 empregos.

De acordo com a União Venezuelana de Imprensa, desde que Maduro chegou ao poder em 2013 mais de 100 publicações tiveram de fechar, incluindo 70 jornais.

“Estamos a falar do desaparecimento de cerca de 60% dos media que existiam em 2013”, disse a União Venezuelana de Imprensa.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)