Brasil

Governo brasileiro declara apoio ao líder da oposição na Venezuela

350

O Governo brasileiro já descreveu o novo mandato de Maduro como "ilegítimo" e reafirmou o seu "total apoio" ao parlamento, que classifica como "encarregado da autoridade executiva" na Venezuela.

Juan Guaidó está disposto a "assumir constitucionalmente" a presidência venezuelana, contra a "ilegitimidade" de Maduro

MIGUEL GUTIERREZ/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Governo brasileiro declarou este sábado apoio ao presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, o líder da oposição Juan Guaidó, após este ter-se mostrado disposto a “assumir constitucionalmente” a presidência venezuelana, contra a “ilegitimidade” de Maduro.

“O Brasil continua comprometido a ajudar o povo venezuelano a recuperar a liberdade e a democracia, e seguirá em coordenação com os demais atores imbuídos do mesmo propósito”, afirmou o Ministério das Relações Exteriores brasileiro em comunicado.

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, considera que a Venezuela vive numa “ditadura” e optou por não marcar presença na tomada de posse do chefe de Estado venezuelano, Nicolás Maduro, na quinta-feira.

O Governo brasileiro reitera a importância do respeito à integridade, autonomia e independência do Tribunal Supremo de Justiça legítimo da Venezuela”, concluiu o Itamaraty, nome como é conhecida a pasta das Relações Exteriores, em comunicado.

O Brasil reagiu ao apelo feito por Guaidó, que solicitou o apoio dos cidadãos, dos militares e da comunidade internacional para assumir o poder executivo, o qual considerou estar a ser “usurpado” por Maduro. Guaidó, um engenheiro de 35 anos, assumiu a presidência da Assembleia Nacional (parlamento, dominado pela oposição), no passado dia 05.

O Governo brasileiro já descreveu o novo mandato de Maduro como “ilegítimo” e reafirmou o seu “total apoio” ao parlamento, que classifica como “encarregado da autoridade executiva” na Venezuela.

“Nicolás Maduro não deu atenção às exortações do Grupo de Lima, formuladas na declaração de 04 de janeiro, e iniciou um novo mandato presidencial ilegítimo”, disse o Itamaraty numa nota oficial.

Maduro foi reeleito em maio passado, numas eleições que a oposição, e muitos países da América e Europa, consideram “fraudulentas”.

Nesse sentido, o Grupo de Lima, formado pela Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lúcia, aprovou na semana passada, com a única exceção da delegação mexicana, uma declaração na qual anunciaram que não vão reconhecem o novo Governo de Maduro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)