PSD

Rio faz este domingo um ano à frente do PSD com crise à porta

Rui Rio completa no domingo um ano como presidente do PSD com o partido em crise e um desafio direto à liderança. O que prometeu, o que cumpriu, o que falta fazer.

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Rui Rio completa no domingo um ano como presidente do PSD com o partido em crise, após um desafio direto de Luís Montenegro à sua liderança e um pedido de convocação de eleições diretas antecipadas.

Num ano com europeias em maio, regionais da Madeira em setembro e legislativas em outubro, a situação interna tensa no PSD agravou-se esta semana depois de ser conhecido um movimento de vários dirigentes distritais de recolha de assinaturas com vista à convocação de um Conselho Nacional extraordinário com o objetivo de apresentar uma moção de censura à direção.

Na quarta-feira, o antigo líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, prometeu quebrar o silêncio sobre o futuro do partido, o que concretizou na sexta-feira, manifestando a disponibilidade para se candidatar à liderança e desafiando Rui Rio a convocar eleições diretas antecipadas de imediato, que ainda não teve resposta formal por parte do presidente do partido.

Se forem convocadas eleições diretas, Miguel Morgado, antigo assessor político de Passos Coelho, já disse que irá também “ponderar muito a sério” a possibilidade de ser candidato.

No final de 2017, Rio apresentou-se como candidato à liderança do PSD prometendo “fazer diferente” e “um banho de ética” na política, e quando derrotou Pedro Santana Lopes nas diretas avisou que o PSD “não foi fundado para ser um clube de amigos”.

As tensões internas começaram ainda antes do Congresso que o ‘entronizou’ em fevereiro, com o afastamento de Hugo Soares da liderança parlamentar do PSD, cargo em que viria a ser substituído por Fernando Negrão, eleito com pouco mais de um terço dos votos dos deputados.

Apesar da mudança, nem sempre Rio e Negrão estiveram em sintonia, com o momento mais tenso a surgir a meio do ano, quando fonte da direção do partido acusou a bancada de ter votado um projeto do CDS sobre combustíveis “à revelia” do líder.

Depois de ter prometido “uma oposição firme, mas não demagógica” ao Governo, Rui Rio assinou em abril dois acordos com o executivo: um sobre os princípios gerais do processo de descentralização e outro em que PSD e o executivo concordam que Portugal não pode perder fundos no próximo quadro comunitário.

Perante críticas internas de que o partido estaria a ser “uma muleta do Governo”, Rio contrapôs que quando os entendimentos “são bons para o país, são bons para o PSD”.

Para as europeias, o primeiro ato eleitoral do ano que se disputa em 26 de maio, o PSD ainda não anunciou se mantém Paulo Rangel como cabeça de lista, mas já disse que o PSD não subir em relação a 2014 — quando conseguiu 27,7% dos votos coligado com o CDS-PP – seria um “mau resultado” que, no entanto, não comprometeria a sua permanência à frente do partido.

Sobre as legislativas, e antes desta crise interna, Rio vinha defendendo que o PSD chegaria a 06 de outubro em condições de as disputar “taco a taco” com o PS — apesar de as sondagens apontarem uma grande distância para os socialistas -, e admitia que o resultado dessas eleições será “um elemento nuclear” para decidir sobre a sua continuidade.

As críticas mais frequentes do líder do PSD ao Governo centraram-se no que chamou de “falhas do Estado” e da governação nos serviços públicos, em particular a saúde, e em áreas de soberania, como a segurança dos cidadãos e a defesa, sendo o caso de Tancos apontado por Rio como “o mais emblemático”.

O líder social-democrata tem acusado o executivo liderado por António Costa de “enganar os portugueses”, alimentando expectativas a várias classes profissionais — como os professores – que depois não tem cumprido, explicando desta forma “o surto brutal” de greves na reta final do ano.

No plano económico, o PSD só anunciou o voto contra o Orçamento do Estado para 2019 depois de ver o documento, mas Rio foi acusando o Governo de adotar a postura de ‘cigarra’ e não aproveitar as folgas geradas pela boa conjuntura internacional para preparar o futuro e fazer reformas estruturais.

A justiça foi outra das áreas no centro da estratégia de oposição de Rio, que se reuniu com todos os agentes do setor para produzir um documento de reforma do setor ainda não apresentado publicamente, mas já divulgado junto do Governo e dos partidos com vista à busca de consensos.

Internamente, foram-se sucedendo casos polémicos envolvendo dirigentes de Rio, como os vice-presidentes Salvador Malheiro e Elina Fraga, culminando no do ex-secretário-geral Feliciano Barreiras Duarte acusado de falsificar o currículo de informações prestadas ao parlamento, que levariam à sua demissão um mês depois de eleito.

No final do ano, foi o seu substituto, José Silvano, a ser confrontado com falsas presenças registadas em plenários da Assembleia da República onde não esteve, mas Rio manteve a confiança política no seu secretário-geral.

Em agosto, o PSD viu sair uma das suas figuras mais carismáticas, Pedro Santana Lopes, que já foi líder do partido e primeiro-ministro, para fundar um novo partido, a Aliança.

Rio tem desvalorizado o efeito eleitoral desta nova formação política, defendendo que o PSD até pode perder 1 ou 2 pontos à sua direita, para ir buscar votos ao centro-esquerda e à abstenção.

A relação com o CDS-PP, parceiro de coligação governamental na última legislatura, foi distante, com Rio a reunir-se formalmente apenas uma vez com a presidente democrata-cristã, o que aconteceu já depois do encontro com António Costa.

O Conselho Estratégico Nacional — órgão que Rio criou para “mudar a forma de militância” no PSD e preparar o programa eleitoral — foi a principal marca interna deixada pela nova direção e tem a sua primeira Convenção Nacional marcada para 16 de fevereiro.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A reconstrução da direita /premium

Luís Rosa
301

A refundação da direita alargará o leque de escolhas dos eleitores. Optar entre socialistas e social-democratas não é verdadeiramente uma opção porque são duas faces do mesmo disco do rotativismo

Política

Três desafios para o 5.7

Alexandre Franco de Sá

Apesar das adversidades políticas, trata-se de despertar a direita acomodada e bocejante contra a hegemonia cultural de uma esquerda que, indisputada no espaço público, dociliza há décadas a sociedade

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

António Costa

O desnorte do 1.º ministro /premium

Manuel Villaverde Cabral

Tão inquietante ou mais ainda, o líder do PS e os seus parceiros parecem continuar convencidos que o alegado problema do euro é a Alemanha não querer partilhar os seus ganhos com os outros países

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)