Ford

O que tem um “assustador” T-Rex contra a Ford?

No Salão de Detroit, um grupo organizado de dinossauros, para mais dos ferozes T-Rex, manifestou-se contra a Ford e a GM. O motivo? Uma questão de semelhança de peso, entre o animal e a poluição.

O recente salão automóvel de Detroit, a capital da indústria automóvel dos EUA, teve alguns momentos caricatos. Um deles misturou um T-Rex insuflável e alguns modelos da Ford e da General Motors (GM), os maiores construtores locais. Mas não era fácil perceber o que havia em comum entre o extinto animal e alguns dos veículos mais populares entre os condutores americanos.

Os manifestantes reunidos à frente do Cobo Center, onde decorria o Detroit Auto Show, alguns dos quais envergando disfarces de T-Rex, não pretendiam ameaçar os fabricantes e, muitos menos, fazer ressuscitar o imponente animal. O objectivo era, pura e simplesmente, recordar que a temível besta, que figurava há 68 milhões de anos no topo de cadeia alimentar, pesava umas impressionantes 9 toneladas. Curiosamente, tantas quanto o peso das emissões de CO2 de um Ford Explorer, chamando a atenção para a necessidade de encontrar motorizações menos poluentes.

Além dos T-Rex, o Cobo Center foi igualmente visitado por manifestações dos sindicatos ligados à indústria automóvel, preocupados com os milhares de empregos que vão ser eliminados em Detroit, além de noutras zonas do país, com os anunciados encerramentos de fábricas nos EUA, bem como no vizinho Canadá. E as críticas fazem algum sentido, tanto mais que foram os contribuintes que salvaram a GM, injectando alguns milhares de milhões de dólares para evitar a sua falência após 2008, para agora verem as linhas de montagem rumarem a sul, em busca dos menores custos salariais do México.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)