PSD

Rui Rio: Governo “engana permanentemente os portugueses”

987

Líder do PSD acusou Executivo de António Costa de "vender ilusões" e de não ter estratégia económica. "Já diz o povo que há meias verdades que são piores do que mentiras", afirma.

Rui Rio esteve no XVII Congresso do PSD/Madeira

HOMEM DE GOUVEIA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O líder do PSD, Rui Rio, afirmou este domingo que o Governo socialista de António Costa “permanentemente engana os portugueses”, além de que “não tem uma estratégia de crescimento económico” e é responsável pela “degradação dos serviços públicos”.

“O grande engano é quando nos vendem uma situação económica de quase milagre económico e depois todos descobrimos que não pode fazer isto e aquilo porque não têm meios”, disse Rui Rio, no encerramento do XVII Congresso do PSD/Madeira, no Funchal, em que Miguel Albuquerque foi reeleito presidente.

O líder social-democrata vincou que o problema do Governo é que “vende ilusões”, sublinhando que “quem vende ilusões, mais dia ou menos dia, colhe descontentamento sob a forma de greve ou de outra forma qualquer”.

“Nós temos aqui, na Madeira, que explicar se querem continuar com o governo regional que têm [PSD], ou se querem trocar por um outro que é assim como eu agora acabei de explicar”, disse Rui Rio ao congresso, indicando que no continente, é preciso “explicar o contrário: que é bom trocar aquilo que temos por algo muito mais estável”.

Rui Rio disse, por outro lado, que o Conselho Nacional do partido, realizado em 17 de janeiro, foi fundamental para garantir a “unidade” e a “estabilidade” necessárias para enfrentar as três eleições deste ano: europeias, regionais na Madeira e nacionais. “Estou seguro que temos condições de ganhar esta tarefa e prestar um melhor serviço a Portugal do que aquele que o Partido Socialista está neste momento a prestar”, afirmou.

Ao longo da sua intervenção, Rui Rio esmiuçou o desempenho executivo nacional, considerando que “governa para agradar no momento”, que “não tem estratégia económica” e que é responsável pela “degradação dos serviços públicos”.

“Não tem estratégia de crescimento económico, porque foi um Governo que ao longo de todos estes anos se preocupou fundamentalmente em pegar em todas as folgas que a conjuntura permitia e distribuir pela lista de reivindicações feitas pelo Partido Comunista, feitas pelo Bloco de Esquerda”, disse, vincando que “isto significa que esqueceu completamente o futuro”.

O líder social-democrata realçou ainda que Portugal teve dos piores crescimentos económicos da União Europeia nos últimos quatro anos e não fez nenhuma reforma estrutural. “Não fizeram nada pelo investimento privado, baixaram o investimento público, degradaram a taxa de poupança, agravou-se o endividamento das famílias, atingiu-se a maior carga fiscal da história de Portugal”. Por outro lado, “degradaram os serviços públicos para um patamar que é inadmissível em qualquer circunstância”, afirmou, considerando que este é o indicador de que a austeridade não acabou.

Rui Rio apontou vários exemplos de má governação, como as greves em vários setores, a descoordenação no combate aos incêndios, a segurança das estradas, o roubo de Tancos, os problemas no Sistema Nacional de Saúde, considerando que se trata de um Governo que “permanentemente engana os portugueses”.

“Em que tudo o que diz tem uma parte de verdade e uma parte de mentira, nem tudo o que diz é completamente mentira, mas em tudo o que diz também não é completamente verdade”, afirmou, lembrando que “já diz o povo que há meias verdades que são piores que mentiras”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Pode alguém pedir que se aja com escrúpulos?

Rita Fontoura

A falta de escrúpulos está a destruir o nosso país. Fomos enganados e estamos a ser enganados. É algo que não salta à vista e por isso engana, o que não espanta já que quem nos governa teve bom mestre

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)