Serena Williams

“A rainha voltou a estar em forma”. Seis anos depois, Serena Williams venceu a número 1 do mundo e pode ganhar o seu 24.º Grand Slam

A tenista pode chegar à conquista do primeiro Grand Slam desde que foi mãe. Depois de bater a romena, dez anos mais nova, escreveu no Twitter: "Vais ganhar este... vai ser um janeiro magnífico".

No final do encontro, Serena levantou os dois braços e olhou para o court

AFP/Getty Images

Na antecâmara dos oitavos de final do Open da Austrália, dez anos de idade e 15 lugares no ranking WTA separavam Simona Halep e Serena Williams. Contudo, entre a romena que lidera atualmente a classificação das melhores tenistas do mundo e a norte-americana que é considerada uma das melhores de sempre existe uma diferença de 19 Grand Slams (Halep ganhou quatro, Williams ganhou 23). O torneio australiano foi o último dos quatro principais do circuito internacional que a norte-americana ganhou e, depois da mediática derrota perante Naomi Osaka na final do US Open no passado mês de setembro, Serena Williams quer voltar a erguer troféus.

E pode consegui-lo já durante este mês de janeiro. Com os parciais de 6-1, 4-6, 6-4, a norte-americana de 37 anos, atual 16.ª do ranking WTA, venceu esta segunda-feira a número 1 do mundo — algo que não alcançava desde 2013, quando bateu a bielorrussa Victoria Azarenka — e assumiu o estatuto de grande candidata a conquistar o Open da Austrália. A acontecer, Serena Williams vai ganhar o primeiro Grand Slam desde que regressou à competição depois de ter a primeira filha e igualar ainda a marca da australiana Margaret Court, ao somar 24 títulos no Open da Austrália, US Open, Wimbledon e Roland Garros.

O encontro entre Halep e Williams era um dos mais antecipados do torneio australiano e não desiludiu — o confronto durou uma hora e 47 minutos e o segundo set, vencido pela romena, garantiu um suspense adicional aos últimos minutos da partida. No final, depois do ponto decisivo, a norte-americana levantou os dois braços e olhou, parada, para o court: o objetivo está agora um bocadinho mais perto. Na entrevista pós-jogo, ainda no recinto australiano, explicou como conseguiu agarrar a vitória. “Foi um jogo intenso e tive pontos realmente inacreditáveis. Precisei mesmo de elevar o meu jogo. Ela é a número 1 do mundo. Eu sou uma lutadora. Nunca desisto. É algo que é inato, definitivamente. O facto de eu estar aqui e de poder fazer algo que adoro é um milagre. Este é o meu trabalho e é um super prazer. Isso mantém-me motivada e faz-me continuar a lutar por cada ponto”, atirou Serena Williams, que no total liderou o ranking WTA durante 319 semanas.

O cumprimento das duas tenistas no final do encontro que terminou com a vitória da norte-americana

No Instagram, já depois de ter partilhado uma fotografia da partida, a tenista norte-americana fez outra publicação e acrescentou uma descrição onde revela que está confiante no que toca à conquista do Open da Austrália. “A Rainha voltou a estar em forma. Dá-lhes. Vais ganhar este…vai ser um janeiro magnífico”, escreveu a atleta.

Nos quartos de final, Williams vai encontrar a checa Karolína Plíšková, atual número 7 mundial. Nos outros jogos, Naomi Osaka vai defrontar a ucraniana Elina Svitolina, a russa Anastasia Pavlyuchenkova vai enfrentar a norte-americana Danielle Rose Collins e a checa Petra Kvitová vai encontrar-se com a australiana Ashleigh Barty. No torneio masculino, Alexander Zverev — atual número 4 do ranking ATP que ganhou proeminência ao vencer Roger Federer na final do ATP Finals –, foi surpreendentemente eliminado pelo canadiano Milos Raonic nos oitavos de final. Raonic vai encontrar o francês Lucas Pouille na próxima fase: enquanto que Rafael Nadal enfrenta Frances Tiafoe, Roberto Bautista Agut defronta Stefanos Tsitsipas (que eliminou Federer) e Novak Djokovic encontra o japonês Kei Nishikori.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
Serena Williams

A identidade da esquerda /premium

Luís Aguiar-Conraria
239

A identidade da esquerda passa pela luta de classes. A esquerda não pode esquecer que um estivador negro tem muito mais em comum com um estivador branco do que com um milionário negro.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)