Rádio Observador

Mercado Imobiliário

Investimento em imobiliário em Portugal subiu 54% em 2018 para 3.500 milhões de euros

O crescimento reflete o dinamismo do mercado nacional. Para 2019, prevê-se que continue a existir uma liquidez elevada a nível global, ainda que o investimento possa descer.

Para 209 é esperada uma estabilização na procura hoteleira, depois de sucessivos crescimentos bastante elevados nos últimos anos

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O investimento imobiliário em Portugal cresceu 54% no ano passado, face a 2017, para 3,5 mil milhões de euros, refletindo o “dinamismo” do mercado, de acordo com um comunicado da CBRE. Assim, de acordo com a consultora, “este crescimento reflete o dinamismo do mercado nacional, impulsionado tanto pela entrada tardia de Portugal no ciclo de investimento pós-crise económico-financeira global, como pelas transações de portefólios de escritórios, centros comerciais e o portefólio imobiliário da seguradora Fidelidade, maioritariamente residencial, composto por 277 ativos”.

Para este ano, a CBRE prevê que continue a existir “uma elevada liquidez” a nível global, ainda que o investimento possa descer. A consultora acredita “que o volume de investimento em imobiliário de rendimento se fixe entre os 2.000 e 2.500 milhões de euros em 2019, podendo verificar-se o segundo ano de valor mais elevado de sempre e aproximadamente o dobro da média anual dos últimos 15 anos (de 1.100 milhões de euros)”.

No entanto, a CBRE explica que já há indícios de uma “evolução estrutural do mercado” e que “prevê-se em 2019 um decréscimo de investimento em todos os setores, com exceção dos hotéis onde se prevê um aumento”. Por outro lado, “o setor das residências de estudantes é atualmente o que desperta maior interesse, e onde se deverá verificar um maior investimento em 2019, quer na promoção de raiz quer em unidades em funcionamento”, de acordo com a mesma nota.

Segundo a CBRE, no ano passado houve um aumento das vendas no mercado residencial português, de cerca de 20% “num total de cerca de 185.000 casas. Na cidade de Lisboa, terá já ultrapassado as vendas de 2007, com cerca de 15.000 imóveis transacionados”.

Ainda assim, “o volume de construção nova é deficitário e resulta maioritariamente de projetos de reabilitação, geralmente de pequena escala, nos centros de Lisboa e Porto. Porém, as perspetivas são de crescimento, e apontam para que só em Lisboa a oferta em 2019 seja praticamente o dobro em relação ao ano passado”, garante a consultora.

Na área dos escritórios, a CBRE adiantou que em Lisboa e Porto, “foram ocupados 290.000 metros quadrados de espaços empresariais”, “um valor histórico em Portugal”. A consultora antecipa ainda, para 2019, “uma estabilização na procura hoteleira, depois de sucessivos crescimentos bastante elevados nos últimos anos”.

Mesmo assim estão “previstos 900 novos quartos para Lisboa e 650 para o Porto. Um número bastante mais elevado do que o verificado em 2018, quando foram inaugurados cerca de 780 novos quartos em hotéis de 4 e 5 estrelas na cidade de Lisboa e outros 430 na Invicta”, avançou a CBRE.

Na área do comércio, a consultora estima “um continuado aumento do valor das rendas nas zonas mais consolidadas”, com a renda prime no comércio de rua a aumentar “na ordem dos 5%, em Lisboa, e 10%, no Porto”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)