Eleições Europeias

“Coletes amarelos” apresentam lista às eleições europeias

A lista intitula-se Reunião de Iniciativa Cidadã, cujas iniciais, RIC, coincidem com as de uma das principais exigências políticas do movimento de contestação: um referendo de iniciativa cidadã.

Os primeiros dez candidatos na lista têm idades entre os 29 e os 53 anos e entre eles está uma doméstica, um vendedor, um contabilista, um jurista e um conselheiro municipal

IAN LANGSDON/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O movimento contestatário francês dos “coletes amarelos” apresentou esta quarta-feira uma lista para concorrer às eleições de maio para o Parlamento Europeu (PE) liderada por Ingrid Levavasseur, uma auxiliar de enfermagem de 31 anos.

A lista intitula-se Reunião de Iniciativa Cidadã, cujas iniciais, RIC, coincidem com as de uma das principais exigências políticas do movimento de contestação, um referendo de iniciativa cidadã. “O movimento social nascido no nosso país a 17 de novembro reflete a necessidade de transformar a raiva num projeto político humano”, afirma Levavasseur num comunicado.

O texto explica que a lista tem como objetivo dar “respostas aos franceses que apoiam” os coletes amarelos e os eurodeputados que eleger terão como principal missão servir de “porta-vozes dos cidadãos, que serão consultados ao longo de todo o seu mandato”. Com esse vínculo ao PE, os cidadãos passarão a ser “atores da nova construção europeia”.

“Queremos deixar de sofrer as decisões das instâncias europeias e os diktats das castas de financeiros e tecnocratas que se esqueceram do principal: o humano, a solidariedade, o planeta”, lê-se.

Os primeiros dez candidatos na lista têm idades entre os 29 e os 53 anos e entre eles figuram uma doméstica, um vendedor, um contabilista, um jurista e um conselheiro municipal.

O designado movimento dos “coletes amarelos” surgiu em França, onde desde 17 de novembro milhares de pessoas se têm manifestado todos os sábados envergando coletes refletores de segurança rodoviária. Algumas dessas manifestações degeneraram em violência, com automóveis e contentores de lixo incendiados e confrontos com as forças policiais, que fizeram pelo menos dez mortos e centenas de feridos.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)