Venezuela

Veja a lista dos países que reconheceram e não reconheceram Juan Guaidó

2.439

Aos 35 anos, Juan Guaidó é o presidente interino da Venezuela. A maior parte da América Latina já reconheceu Guaidó, mas há países do outro lado da barricada. Conheça a lista completa.

FEDERICO PARRA/AFP/Getty Images

Juan Guaidó auto-proclamou-se presidente interino da Venezuela esta quarta-feira diante uma multidão de conterrâneos. Os Estados Unidos da América foram rápidos a reagir e a reconhecer a legitimidade do líder da Assembleia Nacional. Outros países seguiram os norte-americanos, um dos países mais influente do mundo, com grande parte da América Latina a prestar apoio a Guaidó. Relativamente à Europa, Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu, já deixou pistas sobre a posição da União Europeia: “Espero que toda a Europa se una em apoio às forças democráticas na Venezuela. Ao contrário de Maduro, a Assembleia Nacional, incluindo Juan Guaidó, tem um mandato democrático dos cidadãos venezuelanos.”

Esta é a lista dos países que reconheceram — e que não reconheceram — o novo presidente interino.

Países que reconheceram o novo presidente

Estados Unidos da América

Assim que Juan Guaidó se autoproclamou presidente interino da Venezuela, os Estados Unidos reagiram de imediato reconhecendo-o como tal. No Twitter oficial da Casa Branca, a administração dos EUA afirmou que Donald Trump reconhece “oficialmente o presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, como presidente interino da Venezuela”. “O povo da Venezuela falou contra o regime de Maduro de forma corajosa e exigiu liberdade e Estado de Direito”, pode ler-se no comunicado de Trump.

Brasil

Jair Bolsonaro, à semelhança de outros líderes, usou a rede social Twitter para declarar apoio ao novo presidente interino da Venezuela. Na respetiva conta partilhou um texto, onde se inclui esta citação: “O Brasil apoiará política e economicamente o processo de transição para que a democracia e a paz social volte a Venezuela”.

Paraguai

O presidente do Paraguai, Marito Abdo, também declarou “apoio” a Guaidó. No Twitter escreveu: “Contem connosco para abraçar de novo a liberdade e a democracia.”

Colômbia

Iván Duque, presidente da Colômbia, reconheceu a legitimidade de Juan Guaidó a partir de Davos, na Suíça. Citado pelo jornal colombiano El Tiempo, declarou que a Colômbia “acompanha este processo de transição até à democracia para que o povo venezuelano se liberte da ditadura”.

Costa Rica

Carlos Alvarado Quesada, presidente da Costa Rica, também reconheceu Juan Guaidó e disse estar do lado do “diálogo, da paz e de novas eleições livres”.

Equador

“O Equador sempre manifestou solidariedade para com o povo da Venezuela”, disse Lenín Moreno, presidente daquele país, momentos antes de reconhecer a legitimidade de Juan Guaidó. O vídeo com a declaração foi publicado no Twitter.

Peru

A vice-presidente peruana, Mercedes Aráoz, disse também apoiar Juan Guaidó “na transição democrática e pacífica do nosso país irmão”.

Chile

“O Governo do Chile reconhece Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela”, declarou Sebastián Piñera. “Manifestamos total apoio na sua missão para recuperar a democracia. Maduro é parte do problema e não da solução.”

Argentina

O presidente argentino, Maurício Macri, também reconheceu Guaidó como Presidente interino da Venezuela. No Twitter escreveu: “A Argentina apoiará todos os esforços de reconstrução da democracia venezuelana e o restabelecimento das condições de vida dignas para todos os seus cidadãos”.

Guatemala

A ministra dos Negócios Estrangeiros, Sandra Jovel, reconheceu, via Twitter, a legitimidade de Juan Guaidó.

Canadá

Através do ministério dos Negócios Estrangeiros, encabeçado por Chrystia Freeland, também declarou apoio a Juan Guaidó.

Geórgia

Também a Geórgia reconheceu Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela. Segundo a agência Efe, citada pelo El País, a Geórgia “saúda as declarações dos seus aliados de apoio ao povo venezuelano na sua luta pela democracia e pela liberdade”

Honduras

As Honduras também partilharam no Twitter o comunicado oficial onde reconhecem oficialmente Juan Guaidó.

Portugal

O ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, afirmou na noite de quarta-feira o seu pleno respeito “à vontade inequívoca” mostrada pelo povo da Venezuela e disse esperar que Nicolas Maduro “compreenda que o seu tempo acabou”.

“Apelamos para eleições livres, para que Maduro compreenda que o seu tempo acabou, porque não pode ignorar a vontade do povo e a Assembleia Nacional tem de ser respeitada”, disse o ministro à Lusa.

Santos Silva acrescentou “subscrever inteiramente” a declaração da chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, “preparada entre Estados-membros”, que renova o “apelo para que não haja violência e que seja plenamente respeitada a vontade inequivocamente manifestada hoje pelo povo venezuelano para a realização de eleições livres e justas”.

O mesmo fez Espanha, cujo governo, liderado por Pedro Sánchez, não foi mais longe do que reproduzir o comunicado de Mogherini. A oposição espanhola está a criticar duramente o governo por não ir mais longe — Pablo Casado, do PP, diz que Sánchez está “refém dos sócios podemitas financiados pela narco-ditadura venezuelana” e por isso é que não retira o apoio a Maduro.

Panamá

Numa “busca por uma solução pacífica e democrática para a crise social, económica e política vivida” na Venezuela, o presidente do Panamá, Juan Carlos Varela, reconheceu Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela

Kosovo

O primeiro-ministro do Kosovo, Behgjet Pacolli, declarou apoio a Juan Guaidó e, dirigindo-se ao povo venezuelano, escreveu num tweet: “Desejamo-vos o melhor no vosso percurso para restaurar a democracia”.

Albânia

Também o primeiro-ministro da Albânia, Edi Rama, reconheceu e apoiou Juan Guaidó, desejando que o povo venezuelano tenha sucesso a “livrar-se do poder ilegítimo que tornou o país num inferno”.

Países que não reconheceram o novo presidente

México

O México reagiu no sentido contrário de países como Brasil ou Paraguai. Citado pela Reuters, o porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros declarou que, “por agora”, não se prevê qualquer alteração da política do país em relação à Venezuela.

Bolívia

“A nossa solidariedade [está] com o povo venezuelano e o irmão Nicolás Maduro nestas horas decisivas em que as garras do imperialismo procuram ferir de morte a democracia”, escreveu Evo Moráles no Twitter.

Rússia

A Rússia mantém o apoio a Nicolás Maduro. O vice-presidente da Comissão de Assuntos Internacionais da Câmara Alta russa disse, citado pela Associated Press, que “nada vai mudar na sua posição [na Rússia]”.

A porta-voz da diplomacia russa, Maria Zakharova, escreveu na rede social Twitter que “os eventos atualmente em curso na Venezuela mostram claramente a atitude da comunidade internacional progressista em relação ao direito internacional, soberania e não-interferência nos assuntos internos de um país”.

Cuba

O Presidente cubano, Miguel Díaz-Canel, reiterou o apoio a Maduro e à “Revolução Bolivariana” via Twitter, onde citou Fidel e partilhou fotos do líder histórico com Hugo Chávez.

Turquia

Um porta-voz do presidente da Turquia revelou esta madrugada que Tayyip Erdogan telefonou na quarta-feira a Nicolás Maduro, para dar uma palavra de apoio ao regime neste momento decisivo.

“O nosso presidente telefonou e deu o seu apoio ao presidente venezuelano Nicolás Maduro, dizendo ‘meu irmão Maduro! Mantém a força, estamos do teu lado'”, indicou Ibrahim Kalin, no Twitter.

O porta-voz acrescentou que “a liderança de Erdogan vai manter a sua posição de princípio contra qualquer tentativa de golpe”. Terminou com a hashtag #WeAreMaduro.

[Vídeo: Vários mortos no dia em que as ruas entraram em convulsão]

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)