Violência Doméstica

Nove mulheres mortas por violência doméstica desde o início do ano

4.859

O número de mortes por violência doméstica disparou em Janeiro, contabilizando-se nove mulheres assassinadas. A última vítima foi uma mulher de 60 anos, morta no Seixal.

503 mulheres foram mortas em contexto de violência doméstica ou de género entre 2004 e o final de 2018

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Desde o início do ano, nove mulheres foram mortas em contexto de violência doméstica em Portugal. Segundo noticia esta terça-feira o jornal Público, que cita dados do Observatório das Mulheres Assassinadas, “503 mulheres foram mortas em contexto de violência doméstica ou de género entre 2004 e o final de 2018”.

A última morte foi registada esta segunda-feira, depois de uma mulher de 60 anos ter sido assassinada no interior da sua residência, no Seixal, elevando o número de mulheres mortas em contexto de violência doméstica para nove só em Janeiro de 2019.

No mesmo mês do ano passado, Janeiro de 2018, o observatório da UMAR – União de Mulheres Alternativa e Respostas registava menos casos – cinco mulheres assassinadas por violência doméstica. Durante todo o ano de 2018, de acordo com o Observatório das Mulheres Assassinadas, foram contabilizadas 28 mulheres mortas às mãos dos companheiros ou ex-companheiros.

Ao Público, o director do Observatório Nacional de Violência e Género, Manuel Lisboa, explicou que estes crimes “tendem a acontecer nas alturas em que o contacto entre a vítima e o agressor é maior, nomeadamente aos fins de semana e nas férias”, mas admite que o mês de Janeiro possa ser também propício a um escalar da violência, por ser a seguir ao Natal, altura em que podem aumentar as tensões familiares. Apesar disso, Elisabete Brasil, responsável do observatório, citada pelo mesmo diário, sublinha que “a violência sobre mulheres ocorre independentemente dos meses.”

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Violência Doméstica

Controlar não é amar

Catarina Furtado
745

A violência no namoro ainda não ocupa páginas de jornais nem abre noticiários, mas estará lá perto. É muito comum rapazes e raparigas não terem noção do seu papel de vítima ou agressor. 

Violência Doméstica

Nós, mulheres

Sónia Castelo dos Santos
143

Acredito no medo das mulheres. Acredito na chantagem e dependência de muitas delas. Acredito nos filhos que pensam estar a defender. Mas não acredito que sejam precisas mais mortes para algo ser feito

Mulher

A filha do feminismo

Daniela Silva

O insólito, inédito fardo que recai sobre a mulher exige repensar as prioridades valorizadas em sociedade e desafiar o paradigma igualitário que tem inspirado escolhas privadas e orientações políticas

Crónica

Na Caverna da Urgência

António Bento

A principal queixa do homem contemporâneo é a de uma permanente e estrutural sensação de «falta de tempo». Há uma generalização da urgência a todos os domínios da experiência e da existência moderna.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)