No passado domingo, depois de perder por 4-2 em casa, Marcel Keizer não teve meias palavras para descrever a exibição do Sporting. Desde “jogo muito mau” a “pobre é pouco para descrever isto”, o treinador holandês foi para lá de sincero e mostrou-se muito desagradado com a presença em campo dos jogadores leoninos, que com essa derrota ficaram a 11 pontos da liderança, enterrados no quarto lugar, com menos sete pontos do que o Sp. Braga e menos oito do que o Benfica. Três dias depois, era hora de voltar a encontrar o Benfica – desta vez, na Luz. Desta vez, para a Taça de Portugal. E desta vez, segundo Marcel Keizer, sem necessidade de palavras tão duras.

Como um pontapé do meio da rua transformou a crise numa oportunidade (a crónica do Benfica-Sporting)

“Acho que tivemos bastante posse, mas o adversário foi perigoso no contra-ataque e perdemos várias vezes a bola. Isto é o futebol. Não fizemos um mau jogo. Tivemos muita posse de bola, criámos boas oportunidades na segunda parte e ainda chegámos a estar por cima”, explicou o holandês na flash interview logo após o jogo. Keizer recusou ainda a ideia de que as más exibições nos últimos jogos se devam a um problema de confiança e afastou a memória dos primeiros tempos do treinador no clube, logo após a saída de José Peseiro, quando o Sporting venceu vários jogos por números largos (4-1 com o Lusitano Vildemoinhos, 6-1 com o Qarabag, 4-1 com o Desp. Aves, 5-2 com o Nacional e ainda 5-2 com o Rio Ave).

“Não é um problema de confiança, eles sabem que podem jogar muito bem, mas isso não acontece em todos os jogos. Vemos todas as equipas a jogar sempre bem? Não. Quando não estás a jogar bem, tens de ganhar na mesma e é para isso que temos de olhar. Hoje, em alguns períodos do jogo, estivemos bem no passe curto. Falhámos alguns maus passes, mas podíamos ter conseguido um resultado melhor do que este”, acrescentou Keizer, numa linha de discurso vincadamente distinta daquela que defendeu no passado domingo, depois da derrota em Alvalade. Apesar da derrota na Luz, o Sporting leva para a segunda mão a eliminatória totalmente em aberto e só precisa de vencer pela margem mínima em casa para carimbar a presença na final da Taça de Portugal pelo segundo ano consecutivo. A história abona a favor dos leões: nas últimas cinco eliminatórias em que perdeu 2-1 na primeira mão, o Sporting seguiu em frente em quatro (Sunderland, Sp. Braga, Athletic Bilbao e Everton).

Já na conferência de imprensa, o treinador do Sporting comentou a redução de castigo de Ristovski, que foi expulso em Setúbal, cumpriu castigo o primeiro jogo de castigo no dérbi de domingo e estaria de fora durante dois jogos. Contudo, o Conselho de Disciplina da Federação decidiu voltar atrás e impedir o lateral macedónio de jogar apenas por uma partida – o que significava, portanto, que poderia ter jogado a primeira mão da meia-final da Taça com o Benfica. A decisão, contudo, só chegou ao Sporting três horas antes do apito inicial na Luz, um timing que, para Keizer, foi “talvez demasiado tarde”.

Sem nunca querer referir ou comentar a arbitragem, o treinador holandês limitou-se a dizer que é “muito difícil para os árbitros ver todas as decisões” e alguns lances “podem ir para os dois lados” e também comentou as estreias de Cristian Borja e Tiago Ilori, reforços do Sporting no mercado de inverno, que foram ambos titulares no jogo desta quarta-feira. Keizer sublinhou a margem de progressão dos dois jogadores, num dia em que o lateral colombiano assumiu a esquerda da defesa e permitiu a Acuña subir no relvado e onde Ilori ocupou o lugar que costuma ser de Mathieu ao lado de Coates (acabando por ser responsável pelo segundo golo do Benfica).

O Sporting vive um momento um pouco atípico: não vence há cinco jogos para todas as competições, somou a segunda derrota consecutiva pela primeira vez na presente temporada e esta é já a pior série de resultados desde 2012/13. Contudo, pelo meio e pelos pingos da chuva, conquistou um título. Os leões vão procurar vencer a eliminatória com o Benfica daqui a sensivelmente dois meses, em Alvalade, na segunda mão da meia-final da Taça de Portugal.