Cabo Verde

Fragata Álvares Cabral deixa Cabo Verde onde testemunhou “avanço” dos militares

402

A fragata portuguesa Álvares Cabral chegou a Cabo Verde a 29 de janeiro com uma missão em vista, no âmbito da cooperação técnico-militar e de ações de diplomacia, em particular com os países da CPLP.

A chegada da fragata a Portugal está prevista para 6 de abril

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

A fragata portuguesa Álvares Cabral deixa esta sexta-feira o mar de Cabo Verde, onde chegou a 29 de janeiro, tendo o comandante da missão testemunhado nesse período a “evolução” dos fuzileiros, militares e elementos da Guarda Costeira desse país.

“Estive cá no ano passado e encontrei agora uma evolução positiva”, disse à Lusa o comandante da missão Mar Aberto, capitão-de-mar-e-guerra Nuno Noronha Bragança que em 2018 esteve em Cabo Verde com a mesma missão, realizada no âmbito da cooperação técnico-militar e de ações de diplomacia, em particular com os países da CPLP.

Segundo Nuno Noronha Bragança, “esta missão dá continuidade ao que tem sido a participação de Portugal, através das suas Forças Armadas, e da Marinha em particular, no que é o esforço internacional do reforço da segurança no golfo da Guiné e nomeadamente a capacitação dos países da região, da CPLP”.

Em Cabo Verde, prosseguiu, os elementos da missão realizaram várias ações com a Guarda Costeira de Cabo Verde, ao nível da “instrução, de apoio, de manutenção, troca de conhecimento, criação de confiança mútua”. “Desenvolvemos várias ações com os fuzileiros da Guarda Costeira e demos apoio no transporte material do acordo trilateral entre o Luxemburgo, Portugal e Cabo Verde”, referiu.

A fragata transportou ainda transporte de material de “muitas organizações portuguesas que quiseram apoiar algumas comunidades de Cabo Verde”, tendo também trabalhado em conjunto com alguns centros de saúde no apoio médico.

Nuno Noronha Bragança sublinhou que este trabalho é tão grande que já é também “um encontro de famílias, militares que trabalham e que são da Guarda Costeira de Cabo Verde e encontram familiares na Marinha de Portugal. Este foi um encontro de Marinhas, Guardas Costeiras, mas também de famílias”.

“É muito interessante ver gente que vem ter connosco e que se recorda de momentos em que Portugal esteve lá, esteve lá com as suas Forças Armadas e a sua Marinha, e recordam momentos que ocorreram há 20 anos em que famílias vieram para Cabo Verde de zonas de maior crise e conflito e foi este navio, navios desta classe, que os trouxeram. Isto é muito gratificante”, adiantou.

Saídos de Lisboa a 22 de janeiro, os 156 elementos da bordo — com 25 mulheres, o que transforma a fragata Álvares Cabral a embarcação com mais mulheres — parte esta sexta-feira em direção aos Camarões, antes de chegar a São Tomé e Príncipe. A fragata segue depois para Angola, onde apoiará a presença do Presidente da República  português, Marcelo Rebelo de Sousa, em março, nesse país, além de realizar exercícios.

Esta embarcação e a sua equipa irá participar num “grande exercício internacional na região do Golfo da Guiné, com o propósito de reforçar as questões da segurança marítima”, antes de uma escala na Costa do Marfim. A chegada a Portugal está prevista para 6 de abril.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)