Aliança

Dois ex-governantes do PSD e advogada de Madonna entre os sete vice-presidentes escolhidos por Santana

189

Dois antigos governantes de governos PSD estão na direção de Pedro Santana Lopes. Antigo secretário-geral adjunto de Menezes será diretor-executivo, nome dado pela Aliança ao secretário-geral.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Pedro Santana Lopes, presidente do Aliança, escolheu esta madrugada a direção nacional do seu novo partido, que será esta manhã submetida a votação dos militantes. Ao que o Observador apurou, já na madrugada deste domingo, foram escolhidos os sete vice-presidentes de Santana Lopes na Aliança: o ministro dos Negócios Estrangeiros, António Martins da Cruz, a antiga secretária de Estado, Rosário Águas, o antigo presidente da câmara da Covilhã, Carlos Pinto,  o antigo deputado do PSD Carlos Poço, o arquiteto João Borges da Cunha e ainda os dois militantes que tinham sido escolhidos por Santana para apresentar a moção ao Congresso: Ana Pedrosa Augusto — advogada no escritório de Rogério Alves e titular de processos da estrela pop Madonna — e Bruno Ferreira da Costa, professor universitário doutorado em Ciência Política. A direção de Santana fica completa com um diretor executivo, o antigo secretário-geral do PSD Luís Cirilo.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Foram igualmente nomeados os membros do Senado, equivalente ao Conselho Nacional do PSD e à Comissão Nacional do PS — no fundo o órgão máximo entre congressos. O Observador apurou que estão incluídos o antigo líder da JSD, Jorge Nuno Sá, e Margarida Netto, antiga deputada do CDS que fazia parte da Comissão Instaladora do partido.

Os órgãos serão votados este domingo. A moção estratégica de Pedro Santana Lopes, a única a votação, foi aprovada com todos os votos a favor e apenas uma abstenção na madrugada deste domingo.

Esta manhã serão feitas as votações para os órgãos do partido nos quais se incluem Direção Nacional, o Senado ou a Comissão de Auditoria. Pedro Santana Lopes fará o discurso de encerramento, depois da “conversa” de uma hora que proferiu aos delegados ao final da noite de sábado.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)