Economia

70% da produção do calçado da marca CR7 Footwear vai ser feita fora de Portugal

1.043

Quando a marca de sapatos foi lançada Ronaldo disse que ia ser tudo "100% made in Portugal". Agora a empresa decidiu que só 30% será produzida no país, o resto será fabricado em Espanha e Bangladesh.

Quando a CR7 Footwear foi lançada, em 2014, o jogador de futebol português disse que seria tudo "100% made in Portugal"

PETER POWELL/EPA

A produção da marca de Cristiano Ronaldo, a CR7 Footwar, não vai ser toda feita em Portugal, noticia nesta sexta-feira o Jornal de Negócios.  O diário relembra que quando a marca de sapatos foi lançada, em 2014, o craque português afirmou ao Dinheiro Vivo que seria tudo “100% made in Portugal”, ou seja, 100% feito em Portugal.  O futebolista afirmou ainda que a indústria portuguesa “é hoje reconhecida como uma das melhores do mundo, graças à sua capacidade de criação, produção, design e moda”.

Aparentemente, Cristiano Ronaldo terá mudado de ideias. Os sapatos vão ser produzidos “em cerca de 70% fora de Portugal, em países como Espanha e Bangladesh”, disse Nuno Romão, o diretor da empresa responsável pela produção e venda dos produtos, a Nolive, ao Jornal de Negócios.  Em Portugal, vai produzir-se apenas 30% da coleção. O fabrico dos acessórios (carteiras, cintos e malas) será todo feito “lá fora, maioritariamente na China”, acrescentou o empresário.

Esta nova linha de calçado surge depois do fracasso nas vendas, que quase levou a empresa à falência. A apresentação foi feita em Milão, dia 11 de fevereiro. Nuno Romão frisou ao Jornal de Negócios que “o potencial da marca é enorme”. E que desta vez ia “fazer diferente”, para colmatar as falhas cometidas no passado. Garantiu ainda que já havia “encomendas para Portugal, Itália, Espanha, México, Egito e Bélgica”. As próximas metas são exportar mais para mais seis países em 2019 e “ter, no prazo de três anos, uma presença mundial nos principais mercados da Europa, assim como nos Estados Unidos, Rússia, África do Sul, Extremo Oriente, entre outros”, afirmou o empresário.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crédito

Crédito ao consumo: um novo quadro regulatório

António Menezes Rodrigues

Os valores de crédito concedido não são, em si mesmos, preocupantes. E sabemos que há momentos em que a concessão de crédito até pode servir como alavanca de crescimento económico.

Crónica

Mais 5 dias inúteis /premium

Alberto Gonçalves

Claro que o ar do tempo começa a tornar-se irrespirável e que uma sociedade fundamentada na desconfiança e na delação não promete um futuro risonho. Claro que me apetecia fazer queixa. Mas a quem?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)