Elétricos

Governo dá 250 euros para comprar bicicleta elétrica e aumenta cheque nos carros

109

Apoio do Governo à compra de bicicletas elétricas é limitado a mil unidades. Já o incentivo para aquisição de automóveis elétricos por particulares sobe de 2.250 euros para três mil euros.

O Governo quer incentivar os cidadãos a optar pela compra de veículos de emissões zero. O apoio, anunciado esta quinta-feira pelo executivo, será dado na aquisição de bicicletas elétricas e de carros elétricos.

Em relação ao ano passado, o apoio às bicicletas elétricas é a grande novidade. Neste caso, o apoio do Estado será de 250 euros, independentemente do valor da compra. No entanto, este incentivo, ligado ao Fundo Ambiental, está limitado a 1000 unidades, segundo avançou esta quinta-feira o Jornal Económico.

De acordo com o Ministério do Ambiente e da Transição Energética, para receber os 250 euros, o vendedor deverá “passar um comprovativo”, a entregar pelo proprietário, em como a bicicleta elétrica “é destinada a uso citadino/urbano, não incluindo bicicletas destinadas a uso desportivo, nomeadamente para circuitos de cross, ou montanha, ou possuidoras de suspensão integral”, escreve, por outro lado, o jornal Público.

O secretário de Estado Adjunto e da Mobilidade, José Mendes, citado pelo Jornal Económico, adiantou que o objetivo é optar por bicicletas para uso quotidiano. “Devemos apoiar bicicletas para uso quotidiano e não bicicletas de desporto”, declarou.

A plataforma para submeter candidaturas à compra de veículos elétricos estará disponível a partir da próxima segunda-feira, sendo as candidaturas analisadas por ordem de submissão. Para isso, será necessário preencher um formulário online no site do Fundo Ambiental.

Este incentivo abrange também quem comprou bicicletas elétricas desde 1 de janeiro deste ano, que também se poderá inscrever, tal como no caso dos automóveis e dos motociclos/ciclomotores, apoios já introduzidos no ano passado.

Mais dinheiro por automóvel, menos automóveis financiados

O apoio aos automóveis já tinha sido implementado pelo Governo no ano passado, mas sofre agora uma alteração em relação às regras que estavam em vigor em 2018: será disponibilizado mais dinheiro por automóvel. O apoio financeiro dado por veículo no caso dos particulares aumenta em 750 euros, ou seja, passa para os 3 mil euros. Já os automóveis com preço mais elevado, fixado a partir dos 62.500 euros deixarão de ser apoiados pelo Estado. O Ministério do Ambiente e da Transição Energética justifica a decisão com o facto de que “quem comprar carros acima desse valor fará isso independentemente de apoios”.

Outra mudança introduzida é o número de carros a que as empresas se podiam candidatar. Antes as empresas podiam candidatar-se ao financiamento do Fundo Ambiental com cinco veículos; agora esse número passa para quatro, sem alterações no valor por automóvel, que é de 2250 euros. Já o teto máximo de apoios nos mil carros elétricos mantém-se.

Ao todo, o Governo destina um máximo de 2,65 milhões de euros para apoiar a compra de carros elétricos e 250 mil euros para a aquisição de bicicletas elétricas. Feitas as contas, relativamente aos automóveis de baixas emissões, serão passados 883 cheques de 3 mil euros. Já sobre o financiamento às bicicletas elétricas, serão mil contribuintes a usufruir deste apoio do Estado.

Participe nos Prémios Auto Observador e habilite-se a ganhar um carro

Vote na segunda edição do concurso dedicado ao automóvel cuja votação é exclusivamente online. Aqui quem decide são os leitores e não um júri de “especialistas” e convidados.

Participe nos Prémios Auto ObservadorVote agora

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: iameixa@observador.pt
Crónica

Mais 5 dias inúteis /premium

Alberto Gonçalves

Claro que o ar do tempo começa a tornar-se irrespirável e que uma sociedade fundamentada na desconfiança e na delação não promete um futuro risonho. Claro que me apetecia fazer queixa. Mas a quem?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)