Estados Unidos da América

Trump prepara-se para reforçar o embargo contra Cuba

EUA vão permitir a partir desta segunda-feira ações legais contra companhias estrangeiras que usam propriedades confiscadas pelo governo de Cuba após a revolução de 1959.

Os Estados Unidos estão a preparar o reforço do embargo de seis décadas imposto a Cuba

Tasos Katopodis /Getty Images / POOL/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Os Estados Unidos estão a preparar o reforço do embargo de seis décadas imposto a Cuba, ao permitirem a partir desta segunda-feira ações legais contra companhias estrangeiras que usam propriedades confiscadas pelo governo cubano após a revolução de 1959.

Desde Bill Clinton que todos os presidentes decidiram suspender uma secção da Lei Helms-Burton de 1996 que permitiria estas ações judiciais, porque poderiam implicar protestos dos países aliados dos EUA e ações cíveis dirigidas a Washington à luz do comércio internacional.

Os maiores investidores em Cuba incluem a gigante britânica do tabaco Imperial Brands, que mantém uma joint venture com o governo cubano para a produção de tabaco de qualidade; as empresas hoteleiras espanholas Iberostar e Melia, com dezenas de hotéis em toda a ilha; e a francesa Pernod-Ricard, que produz o rum Havana Club com uma destilaria estatal cubana.

Responsáveis oficiais norte-americanos referiram à agência noticiosa Associated Press (AP) que Trump vai permitir que o Título III da Lei Helms-Burton entre em vigor de uma forma limitada, e que exclua diversos alvos potenciais de promoverem ações litigiosas.

A medida está a ser apresentada como uma retaliação pelo apoio de Cuba ao Presidente de facto venezuelano, Nicolás Maduro, que os EUA estão a tentar afastar do poder em favor do líder da oposição Juan Guaidó.

A autorização para um número limitado de ações judiciais poderá dificultar os investimentos em Cuba para as empresas que pretendam entrar no mercado, mas não deverá constituir um duro golpe para a economia cubana, assinala a AP.

Em janeiro, o governo de Havana tinha já denunciado o fim eventual da suspensão do Título III da Lei Helms-Burton pela administração do Presidente Donald Trump, e que considerou “um novo passo que viria a fortalecer, perigosamente, o bloqueio contra Cuba, e seria uma violação flagrante do direito internacional e atacaria diretamente a soberania e os interesses de países terceiros”.

Cuba considera ainda que esta lei “foi projetada para codificar e endurecer a política de bloqueio económico, comercial e financeiro imposta oficialmente em 1962, com o objetivo de subverter e derrubar o governo de Cuba e impor um regime afim ao governo dos Estados Unidos”.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros cubano esclareceu ainda que “reitera os princípios da Lei de Reafirmação da Dignidade e Soberania de Cuba (Lei n.º 80), e salienta que a Lei Helms-Burton é ilegal, ineficaz, sem valor ou efeito legal. Consequentemente, considerará nula qualquer reivindicação coberta por ela de qualquer pessoa física ou jurídica, qualquer que seja sua cidadania ou nacionalidade”, para além de o país “reservar o direito de responder oportunamente a essa nova agressão”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)