Infiniti

Inviável. Infiniti vai deixar de vender na Europa

As normas mais apertadas para limitar a emissão de poluentes fazem nova vítima. Desta vez, não é um modelo, mas sim um fabricante. A Infiniti, marca de luxo da Nissan, tem os dias contados na Europa.

É oficial: a Infiniti vai deixar de vender nos mercados da Europa ocidental já a partir do próximo ano. Em concreto, “o início de 2020” é a ‘data’ apontada para a saída de cena do fabricante de luxo da Nissan que, tal como o construtor nipónico, integra a Aliança Renault-Nissan-Mitsubishi.

Esta decisão prender-se-á com as novas metas definidas pela União Europeia, as quais obrigam os fabricantes automóveis a cumprirem, já a partir do próximo ano, uma média de 95g de CO2 por quilómetro. Se esse limite for infringido, os fabricantes incorrem numa multa de 95€ por grama excedido… Perante este quadro, a Infiniti ver-se-ia obrigada a efectuar avultados investimentos na electrificação da sua gama, algo que, conforme informa na nota de imprensa, só tenciona fazer a partir de 2021 – altura em que também se diz disposta a abandonar os diesel.

Por outro lado, ao contrário da Lexus (Toyota), as vendas da Infiniti nunca ‘descolaram’ na Europa, o que terá levado a marca a considerar que o necessário investimento na adaptação da sua gama não seria rentável em solo europeu. Por outras palavras, a operação tornar-se-ia inviável.

A retirada vai estender-se, inclusivamente, às linhas de produção. Os Infiniti Q30 e o QX30, que são fabricados lado a lado com o Nissan Qashqai, na fábrica de Sunderland (Reino Unido), deixarão de ser produzidos já em Julho. O que significa que, a partir do segundo semestre deste ano, a oferta da Infiniti nos países da Europa ocidental estará condenada a ficar limitada apenas a um modelo, o Q50.

As medidas agora anunciadas fazem parte de um plano de reestruturação global que afecta exclusivamente a Europa ocidental, na medida em que a marca prevê continuar a operar, ainda que com os devidos acertos, em alguns mercados da Europa de Leste. Médio Oriente e Ásia também têm a continuidade da Infiniti assegurada, por continuarem a crescer, com a marca a assumir que prefere concentrar-se nos mercados em maior crescimento – América do Norte e China.

A Infini tem presente que esta decisão vai afectar muitos trabalhadores, mas diz-se empenhada em encontrar “oportunidades alternativas” e, no caso dos concessionários, interessada em promover uma “transição suave”.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)