Música

Dias da Música antecipam no Porto e em Coimbra o festival que se realiza em Lisboa

A obra do compositor alemão Mendelssohn seguirá do Coliseu do Porto, a 18 de abril, para o Convento São Francisco, em Coimbra, onde será apresentada no dia 23 de abril. Chega a Lisboa a 25 de abril.

"Sonho de Uma Noite de Verão" vai estar disponível no Coliseu do Porto, a 18 de abril

MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

O festival Dias da Música, do Centro Cultural de Belém, parte este ano do Coliseu do Porto, em 18 de abril, com “Sonho de Uma Noite de Verão”, de Mendelssohn, seguindo para Coimbra, antes da abertura em Lisboa.

A obra do compositor alemão, concebida sobre a peça de William Shakespeare, seguirá do Coliseu do Porto para o Convento São Francisco, em Coimbra, onde será apresentada no dia 23 de abril, e vai chegar ao Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, no dia 25 de abril, para abrir os Dias da Música, conforme o percurso anunciado pelas casas de espetáculo.

A interpretação de “Sonho de Uma Noite de Verão” nasce de “um grande estágio de orquestra, orientado pelo maestro Cesário Costa, aberto a alunos de música dos Conservatórios Oficiais, das Escolas Profissionais e das Escolas de Ensino Particular e Cooperativo de todo o país”, lê-se na nota de imprensa do Coliseu do Porto e no ‘site’ do Convento São Francisco, em Coimbra.

“Sonho de Uma Noite de Verão” foi composta em momentos distintos da vida de Mendelssohn. Primeiro, a “Abertura de concerto”, op. 21, uma obra de juventude, a que se segiu, cerca de 15 anos mais tarde, a “Música incidental”, op. 61, escrita como música de cena para uma encenação da peça, e que inclui a famosa “Marcha nupcial”.

Além da Orquestra do Festival Dias da Música, que terá cerca de 70 músicos, e das cantoras Ana Maria Pinto e Patrícia Quinta, como solistas, a interpretação conta ainda com a narração do ator Pedro Penim e serão também convidados coros locais, num total de 80 vozes, a dirigir pelo maestro.

A Orquestra do Festival Dias da Música é constituída por alunos selecionados de três orquestras sinfónicas juvenis: a Orquestra dos Jovens dos Conservatórios Oficiais de Música (OJ.COM), a Orquestra Sinfónica Ensemble, que reúne alunos de escolas artísticas de música do ensino particular e cooperativo, e a Orquestra Sinfónica da Associação Nacional do Ensino Profissional de Música e Artes (Aproarte), que congrega as escolas profissionais de música.

Em Lisboa, no CCB, os Dias da Música terão lugar nos dias 25 a 28 de abril, com um programa – ainda por anunciar – direcionado para a obra de William Shakespeare.

O CCB explicou, em nota de imprensa, que “a música, em particular, tem uma profunda relação com Shakespeare, seja pelo que escreve sobre a música, seja pela forma como a sua obra fascinou e influenciou compositores de todas as épocas”.

Entre os dias 6 e 08 de abril, no CCB, em antecipação ao festival, será apresentada a peça “Timão de Atenas”, um espetáculo da companhia Teatro Praga, com a colaboração musical do Ludovice Ensemble, a partir de “A vida de Timão de Atenas”, de Shakespeare, e de “Timão de Atenas”, do compositor Henry Purcell.

“Desde obras inspiradas no dramaturgo, à música criada no seu tempo, este ano todos os caminhos vão dar a Shakespeare”, acrescentou a organização do festival.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)