A reação de todos aqueles que esta sexta-feira assistiram à convocatória de Fernando Santos para o duplo compromisso da Seleção Nacional terá sido semelhante. O selecionador nacional revelou os 25 eleitos para os jogos com a Ucrânia e a Sérvia, a 22 e 25 de março e já a contar para a qualificação para o Campeonato da Europa 2020, e as surpresas já tinham sido antecipadas: o regresso de Cristiano Ronaldo e a primeira chamada de João Félix. Mas a derradeira novidade estava guardada para o fim. Quando Fernando Santos disse o último nome da convocatória, a reação da grande maioria das pessoas que estavam a assistir em direto terá atirado: Mas ele é português?.

Fernando Santos chama João Félix à Seleção pela primeira vez e lança surpresa: Dyego Sousa

Dyego Sousa, avançado do Sp. Braga, nunca foi propriamente um nome falado e comentado enquanto “convocável” para a Seleção Nacional. Nascido no Brasil, a verdade é que o jogador veio pela primeira vez para Portugal com apenas 18 anos e tem dupla nacionalidade desde 2017 — tornando-se assim elegível para a seleção portuguesa, já que nunca representou a brasileira em qualquer um dos escalões. Em outubro, em entrevista ao Mais Futebol, Dyego Sousa assumia o “sonho” de representar Portugal.

“É um sonho, sim. Gostaria de ajudar, de contribuir para o bem deste país. Torço, vibro pela seleção portuguesa. Sinto-me mais português do que brasileiro. Estou cá há dez anos, a minha esposa e a minha filha são portuguesas, temos a nossa vida toda cá. É um sonho representar a seleção de Portugal, mas não é fácil. Não depende só de mim. Há muita concorrência, talvez o selecionador dê prioridade a quem nasceu em Portugal. Gostava de jogar pela Seleção Nacional”, explicou o avançado de 29 anos, que veio para Portugal com apenas 18 para representar os juniores do Nacional da Madeira. A primeira passagem, porém, não foi totalmente bem sucedida e Dyego Sousa acabou por regressar ao Brasil, onde ainda jogou no Moto Club, no Andraus e no Operário Ferroviário.

Dyego Sousa foi colega de Marega, atualmente no FC Porto, no Marítimo

Em 2010, já com 21 anos e enquanto sénior, o avançado voltou a Portugal, desta vez contratado pelo Leixões. Os 15 jogos e três golos pela equipa de Matosinhos não convenceram e Dyego Sousa trocou novamente de país, desta vez rumo a Angola e ao Interclube. A passagem pelo país africano durou poucos meses e acabou por ser o Tondela o responsável pelo regresso do avançado a Portugal. Depois de uma temporada sólida na equipa de Viseu e outra no Portimonense, atraiu a atenção do Marítimo, onde passou quatro anos, foi colega de equipa de Moussa Marega e Danilo Pereira e marcou 35 golos.

Em 2017/18, já com Abel Ferreira no comando técnico do Sp. Braga, os arsenalistas contrataram Dyego Sousa aos madeirenses e acrescentaram ao plantel aquele que é atualmente o jogador mais influente da equipa. Na primeira temporada no Minho, o avançado marcou 12 golos ao longo de 27 jogos em todas as competições e cimentou as fundações para este ano realizar uma época mais constante e concretizadora: leva 19 golos em 33 jogos, 14 deles para o Campeonato, o que o torna o segundo melhor marcador da Primeira Liga (com os mesmos golos que Bas Dost e menos um do que Seferovic). No mercado de inverno do passado mês de janeiro, foi o protagonista de uma novela que teve o Benfica como principal interessado na sua contratação mas acabou por renovar contrato já durante este mês de março com o Sp. Braga até 2022: o mesmo mês em que se soube que o clube da Luz estará a preparar uma nova investida por Dyego Sousa e que Luís Filipe Vieira e António Salvador já se terão mesmo encontrado para discutir a transferência.

Dyego Sousa renova contrato com o Sporting de Braga até 2022

Questionado sobre a chamada de Dyego Sousa, Fernando Santos foi bastante sucinto. “Sempre disse que todos os que tinham condições para representar a Seleção Nacional, estão sempre na hipótese de ser convocados. Chegou a altura em que entendi que este jogador devia ser convocado e daí estar aqui. Preenche todos os requisitos naturais. Tenho dito que todos podem ser chamados em qualquer altura. É importante para a Seleção avaliar todos”, explicou o selecionador nacional. Dyego Sousa estreia-se assim nas convocatórias da Seleção Nacional e é já um nome a ter em conta para a lista final que Fernando Santos terá de fazer em caso de qualificação para o Europeu 2020.