Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Miguel Albuquerque, diretor geral das modalidades do Sporting, foi esta tarde vítima de uma agressão no Dragão Caixa, perto do intervalo do clássico de hóquei em patins que terminou com a vitória do FC Porto por 3-1 frente aos leões.

Tudo se passou já perto do intervalo da partida que colocava frente a frente os dois líder do Campeonato Nacional. A partida tinha sido disputada de forma muito correta até esse momento mas, após uma falta de Henrique Magalhães sobre Gonçalo Alves que deixou o avançado portista na pista, Poka empurrou Ferrant Font, o espanhol acabou por derrubar enquanto caía Reinaldo Garcia e Matías Platero acabou também por pedir satisfações ao jogador dos azuis e brancos, gerando uma grande confusão perto da zona do banco leonino e com os responsáveis portistas a deslocarem-se também aí para tentarem serenar os ânimos.

Nesse momento, Miguel Albuquerque, que tinha ido ver o jogo ao Dragão Caixa com o treinador do futsal verde e branco, Nuno Dias (que joga este domingo com o Futsal Azeméis), quis ir ver a repetição à TV que existia perto da zona reservada onde estava. Os insultos subiram de tom e o responsável do Sporting foi mesmo agredido com um soco, no momento de maior tensão. Depois, o diretor geral acabou por ser transportado para um outro local, onde assistiu à segunda parte. Também nessa altura, muitos adeptos azuis e brancos tentaram chegar à bancada onde estavam concentrados os visitantes, algo que não chegou a ocorrer devido à reação rápida que as forças de segurança tiveram para acalmar de imediato os ânimos mais exaltados.

“É a segunda vez que venho ao Dragão Caixa e nunca se tinha passado isto na minha vida em 20 anos de alta competição. Estar acompanhado do treinador de futsal do Sporting, Nuno Dias, e ser agredido verbalmente durante toda a primeira parte sem a presença de um elemento das forças de segurança. É incompreensível ter sido agredido, é incompreensível agredirem senhoras que estavam connosco. As pessoas que andam no desporto devem pensar no caminho que querem para o hóquei em patins português. O que se passou fora de campo é lamentável. A pessoa que agrediu é facilmente identificável, tinha uma camisola do FC Porto. Perguntem ao Adelino Caldeira, que a colocou fora do pavilhão”, disse depois na sala de imprensa.

De referir que, depois deste clássico para o hóquei em patins (que colocou os dragões em posição privilegiada para recuperarem o título), o Dragão Caixa recebe este domingo mais um FC Porto-Sporting, desta vez a contar para os oitavos da Taça de Portugal de andebol.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR