Rádio Observador

Governo

Governo prepara diploma para tornar o apoio judiciário mais justo

O novo diploma surge após avaliação do sistema de acesso ao Direito, com o objetivo de tornar a atribuição de apoio judiciário mais justa e equitativa, baseando-se na condição económica dos cidadãos.

Segundo a secretária de Estado da Justiça, Helena Mesquita Ribeiro, este diploma reforçará o acesso à justiça a quem dela carece, independentemente da sua condição económica"

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O Governo está a ultimar um diploma que redesenha o sistema de acesso ao direito e à justiça tendo em conta a condição económica dos cidadãos e o custo dos processos, anunciou esta segunda-feira a secretária de Estado da Justiça.

Helena Mesquita Ribeiro, que falava na sessão de abertura da XX Cimeira Judicial Ibero-americana, explicou que o diploma vai hoje a reunião de secretários de Estado.

Segundo a secretária de Estado, o novo diploma surge depois de uma avaliação do sistema de acesso ao direito, com o objetivo de tornar a atribuição de apoio judiciário mais justa e equitativa.

O novo diploma, adiantou, que espera vir a ser aprovado em breve pelo Governo, “reforçará o acesso à justiça a quem dela carece, independentemente da sua condição económica”.

Trata-se de um diploma que, na verdade, redesenha o atual sistema de acesso ao direito e à justiça no sentido de evoluir para um sistema gradativo, que tenha em conta a condição económica dos cidadãos e o custo dos processos, materializando o imperativo constitucional de garantir a todos o acesso ao direito e que muito contribuirá para fortalecer a cidadania enquanto pilar do Estado de direito democrático”, frisou.

Na sua intervenção Helena Mesquita Ribeiro explicou que o acesso ao direito e aos tribunais é uma das mais importantes responsabilidades que incumbem a qualquer Governo e a universalidade deste direito “impõe que o seu exercício deva estar à disposição de todos, sem discriminação e que não possa estar limitado designadamente pela insuficiência económica do seu titular”.

Segundo Helena Mesquita Ribeiro, “garantir uma igualdade de acesso à Justiça por todos, sem discriminação, só é possível através da construção de um sistema inclusivo que permita que os cidadãos, especialmente aqueles que não dispõem de recursos financeiros suficientes, possam recorrer à assistência de profissionais forenses a título gratuito (ou a um custo mais baixo) ou a receberem ajuda financeira para custear as despesas com o processo“.

Em Portugal, explicou a governante, a concessão de apoio judiciário prestado por um advogado encontra raízes já antigas na nossa história, tendo sido pela primeira vez objeto de lei em 1899, mas seguindo uma tradição histórica medieval, onde os mais fracos e mais desprotegidos tinham direito a uma proteção adicional que incluía mesmo a existência de juízes próprios para as suas causas.

O atual sistema em vigor assenta no conceito de insuficiência económica, e, acrescenta a secretária de Estado, a lei tem procurado introduzir rigor e objetividade na aferição dessa insuficiência para concessão deste benefício, reforçando a vertente de prestação social da proteção jurídica e do acesso ao direito.

Em 2019, o Estado prevê uma despesa de 111 milhões de euros com apoio judiciário, segundo as contas do Ministério da Justiça, apresentadas na proposta do Orçamento do Estado deste ano.

Segundo dados do Ministério da Justiça, em 2018 o Estado pagou 56,47 milhões aos advogados que prestam apoio judiciário.

Atualmente, para ter apoio judiciário, os cidadãos devem demonstrar a sua incapacidade para suportar os custos associados a um processo judicial.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD/CDS

A beira do precipício

José Ribeiro e Castro

A visão da beira do precipício serve para despertar. Se não querem deixar Portugal totalmente submetido à esquerda, PSD e CDS têm de fazer mais no tempo que falta. Sobretudo fazer melhor. E desde já.

Legislação

Menos forma, mais soluções /premium

Helena Garrido

É aflitivo ver-nos criar leis e mais leis sem nos focarmos nas soluções. A doentia tendência em catalogar tudo como sendo de esquerda ou de direita tem agravado esta incapacidade de resolver problemas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)