Rádio Observador

Cinema

Campa do histórico cineasta Georges Méliès vai ser restaurada por crowdfunding

A campa do realizador francês Georges Méliès tem-se degradado desde o funeral do cineasta em 1938. Agora a família pede a ajuda do público para pagar pelas reparações.

Georges Méliès (à esquerda) no seu filme "Le papillon fantastique", de 1909

Hulton Archive/Getty Images

Com a ajuda do público, os descendentes do cineasta francês Georges Méliès esperam conseguir juntar 40 mil euros para recuperar a campa de um dos pioneiros dos efeitos especiais, da ficção científica e do cinema como um todo. O crowdfunding vai estar aberto a donativos de 26 de março a 18 de abril de 2019.

“Este projeto é o início de muito mais. Eu quero torná-lo conhecida por uma audiência muito mais vasta”, admite ao The Guardian a trineta de Méliès e responsável pelo projeto, Pauline Duclaud-Lacoste. Recuperar a campa de Méliès serve como alavanca para dar uma segunda vida ao trabalho de um dos pioneiro do cinema francês: “Eu vejo-o em muitas obras, artigos e livros diferentes. Ele continua muito presente, realmente vivo. O meu trabalho durante os próximos 40 anos é preservar o legado de Georges Méliès e ligá-lo à modernidade“.

A curto prazo, o crowdfunding tem realmente o propósito prático de recuperar a campa do cineasta, manchada pelo verde da humidade, com as letras desgastadas e pouco visíveis e o busto de bronze de Méliès (instalado em 1954) visivelmente oxidado. Alguns dos pilares em metal instalados em volta da campa em 1938, quando foi enterrado o cineasta, acabaram entretanto por ser também roubados.

Mesmo degradada, a campa de Méliès é uma atração para fãs de cinema, que visitam às centenas o local, como explica Pauline Duclaud-Lacoste: “Quando lá vou vejo cartas, desenhos, bilhetes de cinema, programas de filmes, cartões, bilhetes do metro com notas escritas em japonês, alemão, espanhol, grego, chinês… Sempre que visito é uma nova aventura”.

O cineasta francês tem tido um ressurgimento nos últimos anos, após o lançamento do filme “Hugo”, criado em 2011 por Martin Scorsese (a partir de um livro de Brian Selznick). A longa-metragem inspira-se no trabalho de Méliès, e fala explicitamente de uma das suas obras mais conhecidas — “Le Voyage dans la Lune”, criado em 1902 e restaurado a cores e com banda sonora para o Festival de Cannes em 2011.

Um especialista da Technicolor restaura um dos frames originais de “Le voyage dans la lune”, recuperado em Barcelona em 1990.

Perdeu-se a maior parte do 500 filmes produzidos por Georges Méliès entre 1896 e 1912. O próprio queimou centenas de negativos por não ter onde os arrumar ao mudar de casa em 1924. Outras fitas foram derretidas para criar matérias primas para a produção de botas para o exército francês durante a Primeira Guerra Mundial.

Georges Méliès começou como mágico. Em 1912 desistiu do cinema, com problemas financeiros, e criou um negócio de venda de brinquedos. O imaginário do cineasta francês é marcado por truques e ilusões, jogos de imagem que usam a cor (pintada nos fotogramas à mão) para desenvolver imagens impossíveis.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nviegas@observador.pt
António Costa

O favor que Costa fez à direita /premium

Sebastião Bugalho

Nestes quatro anos, Costa normalizou tudo aquilo que a direita se esforçou por conquistar, o que levanta uma questão simples: o que poderá dizer o PS contra um futuro governo do centro-direita?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)