476kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Infraestruturas de Portugal dá 45 dias a pedreiras para reporem faixas de segurança. Empresários dizem que é impossível

Este artigo tem mais de 3 anos

As pedreiras em situação crítica estão a ser notificadas pelo Ministério do Ambiente. Algumas delas estão também a receber notificações da Infraestruturas de Portugal. Governo nega descoordenação.

Pedreiras junto ao cemitério de Estremoz (em cima, à direita) e limitadas a sul pela estrada nacional 4
i

Pedreiras junto ao cemitério de Estremoz (em cima, à direita) e limitadas a sul pela estrada nacional 4

Google Maps

Pedreiras junto ao cemitério de Estremoz (em cima, à direita) e limitadas a sul pela estrada nacional 4

Google Maps

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Infraestruturas de Portugal notificou alguns empresários de pedreiras para que encham os buracos da exploração e assegurem a distância mínima entre o início da escavação e a estrada. Nos exemplos que foram dados a conhecer ao Observador, os notificados têm 45 dias para cumprirem esta ordem.

O Observador teve conhecimento das notificações por parte da Infraestruturas de Portugal (IP) pouco tempo depois de publicada a Resolução do Conselho de Ministros (n.º 50/2019) que identifica as pedreiras em situação crítica e as medidas que devem ser tomadas para diminuir os riscos para pessoas e bens. O levantamento das situações de risco, divulgado pela resolução, e as notificações aos proprietários foram coordenados pela Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG). Foram identificadas 191 pedreiras em situação de risco, dentro das 1.426 que pertencem às classes 1 e 2 e que são licenciadas pela Administração Pública central. 

As notificações emitidas pela IP para empresas que a DGEG está a fiscalizar e notificar apanharam a própria DGEG de surpresa. Depois disso, fontes dizem ao Observador que, em reuniões sobre o tema, a DGEG terá garantido que esta descoordenação será resolvida entre os ministérios que tutelam as duas entidades — Ministério do Ambiente e Transição Energética e Ministério das Infraestruturas e Habitação. Contactada pelo Observador, a IP respondeu que “procede à avaliação das situações que possam ter interferência com a rede rodoviária sob sua jurisdição, tendo subjacente o princípio da colaboração e as atribuições de cada uma das entidades”. Por sua vez, o Ministério do Ambiente disse ao Observador que os dois tipos de fiscalização e notificações são independentes, que não há duplicação e que cada entidade notifica em função das suas competências.

A Resolução do Conselho de Ministros refere que um dos fatores considerados para avaliar se uma pedreira estava em situação crítica era o risco de colapso ou abatimento de caminhos públicos, estradas municipais ou nacionais, assim como autoestradas e estradas internacionais. O documento identifica as medidas preventivas em cada um dos casos, como alterar o traçado, interditar a circulação ou repor a linha de defesa (distância mínima entre a exploração e a infraestrutura). A resolução determina ainda que cabe à DGEG notificar os proprietários e estabelecer os prazos que têm para cumprir as medidas previstas. Está previsto que a DGEG possa recorrer à Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), à Inspeção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território (IGAMAOT), à Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), às autoridades policiais ou entidades ligadas ao ambiente, mas em nenhum momento é referida a intervenção da Infraestruturas de Portugal.

Borba, a cidade quase em silêncio que espera um milagre

As inspeções da IP, a que o Observador teve acesso, começaram pouco tempo depois da derrocada da estrada 255 que atravessava uma zona de pedreiras em Borba e que tinha provocado cinco vítimas mortais — a 19 de novembro de 2018. Cerca de uma semana depois, no dia 27, o Centro Operacional Sul e Direção de Engenharia e Ambiente da IP visitaram, pelo menos, a estrada nacional 4, em Estremoz, e a estrada nacional 254, na zona de Vila Viçosa.

Os técnicos consideraram que a escavação da pedreira, entre a EN4 e o cemitério de Estremoz, violava uma norma estabelecida pelo Estatuto das Estradas da Rede Rodoviária Nacional, nomeadamente a distância à estrada — que deve ser três vezes a profundidade da escavação. No caso, estimaram que a profundidade fosse de, pelo menos, 25 metros e que deveria ter uma distância mínima à estrada de 75 metros e não de 40, como é o caso.

O Decreto-Lei n.º 340/2007, que define o regime jurídico aplicável às pedreiras, define que a distância de proteção à estradas nacionais e municipais é de 50 metros (para cada lado). Esta distância pode ser alterada, caso a profundidade da exploração o justifique, uma decisão que caberá à entidade responsável pela aprovação do plano de lavra — no caso referido, a DGEG. O legislador prevê, porém, que “para as explorações já licenciadas com distâncias inferiores às fixadas no presente decreto-lei relativamente a zonas de defesa, as novas distâncias só serão aplicáveis se não implicarem perturbações à marcha dos trabalhos”.

Pedreiras dizem que o prazo imposto é impossível de cumprir

Jorge Galrão, diretor executivo do grupo Galrão (a que pertencem os Mármores Galrão), confirmou ao Observador que recebeu a notificação da IP, mas ainda não tinha recebido qualquer notificação da DGEG em relação a esta pedreira.

Na notificação da IP é dada ordem ao proprietário para repor o terreno nas condições em que se encontrava antes da data do início das obras ou trabalhos. Jorge Galrão explica que quando comprou o terreno — no final dos anos 1990 — já a pedreira estava desativada. “Já não tinha valor económico e começámos a tapar. Dava jeito para as escombreiras”, diz, referindo-se aos materiais sem valor económico que sobram da exploração.

“Mas mesmo que a pedreira esteja desativada, a lei não permite tapá-la sem ter a certeza de que já não tem valor económico”, diz Jorge Galrão, explicando que teve de pedir autorização à DGEG para começar a encher o buraco.

A IP deu 45 dias aos Mármores Galrão para encher a referida pedreira. “Isto não se tapa de um dia para o outro”, diz Jorge Galrão, que tem vindo a encher o buraco há sete ou oito anos com terra e pedra das explorações que estão ativas. Os notificados têm 15 dias para se pronunciarem. “Já marcámos reunião para explicar que em 45 dias não é possível.”

António Chambel, professor na Universidade de Évora, também considera que 45 dias não é um prazo razoável. Referindo-se sobretudo às 191 pedreiras em situação crítica, em que 93% necessitam de estudos prévios ou projetos de execução, o geólogo duvida que exista em Portugal capacidade técnica para dar resposta a todos os pedidos. “A Universidade de Évora recebeu mais de 10 pedidos [de estudos por parte das empresas]. Em 60 dias, só conseguimos fazer dois ou três [estudos de delimitação de zonas perigosas, um dos tipos de intervenção pedidos]”, diz ao Observador. António Chambel lembra que são precisas pelo menos duas semanas de trabalho de campo, recolher muita informação e elaborar os relatórios. E isto só para apresentar os estudos ou projetos, depois é preciso executá-los. “Existem poucas empresas privadas com competências para fazer estes estudos.” E as instituições, como a universidade, não se dedicam em exclusivo a este tipo de trabalhos.

“Estes prazos curtos não dão margem de manobra”, diz também ao Observador José Romão, presidente da Associação Portuguesa de Geólogos. Para o geólogo não basta fazer as notificações, é preciso saber quantas pedreiras precisam de intervenção, a dimensão dessas pedreiras e quantas empresas existem na zona para cumprir essas tarefas. “Às vezes queremos criar impacto imediato, mas a realidade do país dita outra coisa. É assim que se criam problemas de incumprimento.”

O Observador questionou a Infraestruturas de Portugal e o Ministério das Infraestruturas e Habitação sobre a fiscalização e notificações sobre a relação com o levantamento feito pela DGEG, tutelada pelo Ministério do Ambiente e Transição Energética, e sobre o prazo dado às empresas. A IP, porém, recusou responder, alegando que é preciso esperar que os processos estejam concluídos: “O acesso a informação constante de procedimentos administrativos em curso encontra-se condicionada, nos termos da lei, à respetiva conclusão.”

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.