Líbia

Líbia. Médicos Sem Fronteiras alertam para “condições desumanas” em centro de detenção

Os Médicos Sem Fronteiras dizem que "quase uma em quatro pessoas estão subnutridas ou abaixo do peso" nos centros de detenção de Sabaa e "dezenas foram fechadas em pequenos espaços".

Neste centro existem 300 refugiados, requerentes de asilo e migrantes detidos em Sabaa, incluindo mais de 100 menores de 18 anos

STR/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Os Médicos Sem Fronteiras (MSF) alertaram na quarta-feira para as “condições desumanas” e “alarmantes níveis de desnutrição” no centro de detenção de Sabaa, em Tripoli, na Líbia, que tem mais de 300 pessoas.

Quase uma em cada quatro pessoas estão subnutridas ou abaixo do peso e dezenas foram fechadas em pequenos espaços com apenas 0,7 metros quadrados por pessoa durante períodos de mais de uma semana”, refere um relatório da organização.

Segundo os MSF, existem mais de 300 refugiados, requerentes de asilo e migrantes detidos em Sabaa, incluindo mais de 100 menores de 18 anos.

“As pessoas detidas em Sabaa relatam que frequentemente passam vários dias sem qualquer comida. Os menores de 18 anos ali detidos estão especialmente vulneráveis, sendo 50% mais provável que se encontrem gravemente desnutridos e três vezes mais que se encontrem moderadamente desnutridos do que os adultos”, acrescenta o documento.

Os MSF referem que existem vários testemunhos de pessoas que recebem apenas uma refeição a cada dois ou três dias e que as novas chegadas ao centro podem esperar até quatro dias antes de receber qualquer alimentação.

“O que vemos no centro de detenção é sintomático de um sistema descontrolado, injustificado e imprudente que coloca em risco a vida de refugiados e migrantes”, afirma Karline Kleijer, chefe de emergências da MSF.

Karline Kleijer salientou que em causa estão necessidades básicas.

Se alimentos, abrigo e serviços essenciais não podem ser fornecidos de maneira consistente e apropriada, as pessoas devem ser libertadas imediatamente pelas autoridades líbias. A Europa também está a contribuir para este sofrimento, através de políticas que permitem que as pessoas resgatadas no mar sejam devolvidas à força para condições de detenção desumanas na Líbia”, considera, salientando que esta situação é “inconcebível”.

O conselheiro de saúde dos MSF para a Líbia, Kees Keus, acrescentou que a situação é “extremamente preocupante”.

A organização MSF apelou às autoridades líbias e à comunidade internacional para resolverem de “forma urgente as condições desumanas e perigosas” que se verificam nos centros de detenção na Líbia.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)