Na última quinta-feira, dia 21 de março de 2019, Wellington Moreira Franco, antigo ministro de Michel Temer, estava calmamente sentado a bordo do voo 066215 da companhia aérea brasileira Avianca. A seu lado ia um advogado chamado Renato Ventura. Os dois não se conheciam.

O voo partiu de Brasília rumo ao Rio de Janeiro (mais especificamente rumo ao Aeroporto Internacional Tom Jobim). Quando o avião aterrou, Renato Ventura abriu a rede social WhatsApp no seu telefone, entrou numa conversa de grupo que tem com amigos sobre “política e futebol” e deparou-se com uma notícia surpreendente: o antigo presidente Temer e o seu ministro Moreira Franco “tinham ido presos”. Sem ter ainda reparado quem era o seu companheiro de viagem, o advogado virou-se para o “senhor ao lado” e contou-lhe a notícia. Também pela reação, apercebeu-se de que não a tinha contado a qualquer um: ao lado estava precisamente o antigo ministro de Minas e Energia de Temer, Moreira Franco, um dos dois políticos que teriam sido supostamente detidos.

A notícia não era exata: obviamente, por essa altura a polícia brasileira ainda não tinha efetuado a detenção do antigo ministro de Temer, caso contrário Moreira Franco não estaria descontraidamente sentado ao lado de Renato Ventura no avião da Avianca.

Discretamente, Renato fotografou o antigo ministro de Temer, que começou a falar ao telefone, presumivelmente com os seus advogados. Como Moreira Franco viajava do lado da janela, o advogado ainda tentou retê-lo no lugar e não permitir a passagem, mas acabou por ser empurrado e ver o político “sair correndo” rumo à saída.

Renato Ventura foi atrás de Moreira Franco. Tentou “ligar para a Polícia Federal e para a Polícia Militar” a avisar que o antigo ministro de Temer “estava no meu voo e ia sair”. Moreira Franco saiu do aeroporto e encaminhou-se para o exterior, onde um carro da marca Volvo o aguardava. O advogado garante que foi atrás dele e que se colocou na faixa de peões à frente do carro, para impedir que o político fugisse. O antigo ministro de Michel Temer e o condutor, contudo, contornaram-no e arrancaram. Poucos minutos depois, seriam intercetados pela Polícia Federal, que deteve por fim Moreira Franco.

A história, inusitada, foi contada na íntegra pelo advogado em questão e companheiro de voo de Moreira Franco à rádio brasileira BandNews FM — e já foi citada pelo jornal Folha de São Paulo. O melhor talvez seja mesmo ouvir, em discurso direto: