Esta quinta-feira, no conforto da sua casa em São Paulo, Michel Temer olhou para a rua e não percebeu muito bem o que estava a acontecer. “Porque é que estão tantos jornalistas na porta da minha casa?”, perguntou, pelo telefone, a um dos seus assessores.

Afinal de contas, Temer — homem que foi vice-Presidente do Brasil entre 2011 e 2016, passando depois para o cargo de Presidente até ao final de 2018 — é, desde o início do ano, um cidadão comum. Um homem que, depois de uma longa vida de trabalho, se entregou aos prazeres do repouso na avançada idade de 78 anos, a caminho dos 79, já no próximo mês de setembro.

Tudo isso, porém, ruiu em pouco tempo. Do outro lado da linha, conta a jornalista Daniela Lima, da Folha de S. Paulo, o assessor disse-lhe que corria “um boato na imprensa” de que pendia um mandado de prisão preventiva contra ele.

“Uma brutalidade”, respondeu Michel Temer.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.