Rádio Observador

Saúde

Mãe em morte cerebral vai dar à luz um bebé no Hospital de São João

408

Morte cerebral foi declarada um dia depois do Natal. A jovem de 26 anos estava grávida de 12 semanas quando, na sequência de um ataque de asma, perdeu os sentidos. É o segundo caso em Portugal.

Criança deve nascer ainda esta semana e será um prematuro extremo

Tiago Petinga/LUSA

Nos próximos dias, uma mãe em morte cerebral deverá dar à luz no Hospital de São João. Catarina Sequeira, 26 anos, estava grávida de 12 semanas quando, na sequência de um ataque de asma, perdeu os sentidos. Foi hospitalizada em Vila Nova de Gaia, mas um dia depois do Natal foi-lhe declarada morte cerebral. A jovem foi transferida para o São João no Porto, onde Salvador, o seu filho, deverá nascer nos próximos dias, um prematuro extremo. A notícia é avançada pelo Correio da Manhã. Este será o segundo caso em Portugal. O primeiro aconteceu em 2016 e a criança nasceu com 32 semanas.

“Vou amar o meu neto e já aceitei que a minha filha morreu. Quero levar o processo até ao fim, por mais doloroso que seja para que possa depois lembrá-la como a menina sorridente que sempre foi”, diz Maria de Fátima Branco, mãe da jovem, citada pelo CM.

Para poder avançar com a decisão de manter a jovem ligada ao suporte de vida, a família de Catarina reuniu-se com a Comissão de Ética daquela unidade de saúde, no Porto. Apesar dos riscos, a família decidiu seguir este caminho.

Não perdi a minha filha; perdi a ilusão de que poderia conservá-la sempre comigo”, sublinha Maria de Fátima que ao longo dos últimos três meses tem visitado regularmente a filha.

“Não vou perder a força que tenho graças à força que a minha filha sempre nos deu e pelo amor que tinha por nós. Tenho cá mais oito [filhos] que também precisam de mim”, diz a mãe da jovem.

Catarina Sequeira tinha asma desde os 13 anos, e era canoísta desde 2005 no Douro Canoa Clube, tendo conquistado 41 medalhas. Maria de Fátima diz que se tivesse de tomar a decisão de novo, tomaria outra e não teria mantido a filha ligada ao suporte de vida.

“Se fosse hoje, tudo tinha acabado naquele dia. Primeiro, porque a minha filha está a ser um suporte de vida; segundo, porque não se sabe como vai nascer o bebé e isto mata-me”, diz Maria de Fátima.

Não é a primeira vez que uma mãe em morte cerebral dá à luz um filho em Portugal. Em 2016, Lourenço Salvador nasceu a 7 de junho, na Maternidade Alfredo da Costa, 15 semanas depois de ter sido declarado o óbito da mãe Sandra.

Lourenço nasceu prematuro, com 2,350 quilos, e foi logo transferido para a Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais, na Maternidade Alfredo da Costa. Com quase um mês de idade e mais de três quilos teve alta hospitalar.

O nascimento de Lourenço foi um feito inédito em Portugal e falado um pouco por todo o mundo, dada a raridade do caso. A mãe, Sandra, estava em morte cerebral desde fevereiro, mas a equipa de cuidados intensivos da neurocirurgia do São José, em articulação com a MAC, conseguiu manter a gravidez até às 32 semanas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)