Rádio Observador

Macau

MGM China defende que criação de taxa turística em Macau só deve servir para promover turismo

O diretor executivo da operadora de jogo em Macau defendeu que a taxa turística a ser criada "tem que ser usada especificamente para a promoção do turismo" e não um método alternativo de cobrança".

O diretor executivo da MGM China, Grant Bowie, destacou o trabalho de responsabilidade social que tem sido realizado pela MGM em Macau com jovens, pessoas com deficiência e terceira idade

JEROME FAVRE/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O diretor executivo da MGM China, operadora do jogo em Macau, defendeu esta segunda-feira que a criação de uma taxa turística no território não pode ser um mero imposto adicional e que só deve servir para promover o turismo.

As declarações de Grant Bowie surgem após a entrevista da responsável pela Direção dos Serviços de Turismo (DST) à agência Lusa, na qual revelou que o Governo está a efetuar um estudo para a possível aplicação de uma taxa turística no território, como acontece atualmente em Veneza (Itália) e no Japão.

A ser definida, a taxa “tem que ser usada especificamente para a promoção do turismo, não deve ser um método alternativo de cobrança de imposto”, sustentou Bowie.

O responsável da MGM China, contudo, ressalvou que “essa é uma decisão que cabe ao Governo”, sublinhando que “Macau é particularmente afortunado por ter uma posição financeira sólida e sustentável, neste momento”.

Desde que qualquer alteração na cobrança de imposto seja feita para promover o destino turístico…, eu sou um forte defensor de que Macau continue a reforçar o enfoque na qualidade de turismo e turistas, em vez da quantidade”, frisou Bowie.

Helena de Senna Fernandes disse à Lusa que não existe uma data limite para conclusão do estudo, mas que a intenção da DST é que seja realizado no mais curto espaço de tempo.

“Não tem uma data [de conclusão], mas não queremos arrastar por muito tempo, porque também queremos apresentar este estudo para que possa ser contemplado em mais pormenor”, adiantou a responsável pela Direção dos Serviços de Turismo (DST) de Macau, território de 30 quilómetros quadrados que em 2018 registou 35 milhões de turistas.

“Estamos a fazer uma comparação e um tipo de pesquisa: porque foram lançados e qual o resultado”, esclareceu a diretora.

As declarações desta segunda-feira do diretor executivo da MGM China foram feitas à margem do seminário “Comunicação Efetiva com pessoas com deficiências para um ambiente livre de barreiras” e da cerimónia de lançamento de um programa de ‘e-learning’ de linguagem gestual.

O seminário foi coorganizado pela DST e pela MGM.

Bowie destacou o trabalho de responsabilidade social que tem sido realizado pela MGM em Macau com jovens, pessoas com deficiência e terceira idade, mas enfatizou que a motivação da empresa não se deve à vontade de renovar a licença de jogo atribuída pelo Governo, mas sim porque “é o mais correto”.

“Desde que continuemos a fazer o que temos feito, e que continuemos a investir, (…) a colaborar com o Governo, (…) nós temos, honestamente, a certeza de que estaremos bem posicionados”, afirmou.

“Todos nós sabemos que este é provavelmente o grande assunto para Macau e o Governo está a trabalhar neste momento nesses detalhes”, admitiu.

“Na nossa perspetiva, enquanto concessionária, é prematuro falar sobre isso, só queremos garantir que estamos a fazer o que deve ser feito e valorizar o processo de renovação [da licença], seja ele qual for”, concluiu.

O Governo de Macau anunciou a 15 de março que decidiu prolongar a concessão da Sociedade de Jogos de Macau e a subconcessão da operadora norte-americana MGM até 2022.

Macau, capital mundial do jogo e único local na China onde os casinos são legais, registou, no ano passado, quase 33 mil milhões de euros em receitas do jogo, o que representa um aumento de 14% em relação ano de 2017, de acordo com dados oficiais.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)