Rádio Observador

SEAT

Seat surpreende CEO do Grupo VW e bate recordes

Na presença do “patrão”, ou seja, o CEO do Grupo Volkswagen, Herbert Diess, o responsável máximo da Seat, Luca de Meo, anunciou os melhores resultados de sempre. E mais uma série de novidades.

Perante um Herbert Diess que admitiu ter-se deslocado à apresentação anual dos resultados da Seat – ele que nunca está presente em eventos específicos para qualquer uma das marcas do Grupo Volkswagen, de que é CEO – por a marca espanhola ter sido das poucas a ultrapassar os objectivos, o CEO do fabricante de Martorell, Luca de Meo, anunciou o 6º ano consecutivo de crescimento de vendas, além do maior número de unidades entregues a clientes desde que a Seat foi fundada em 1950.

Os bons resultados da marca foram resumidos pelo seu director financeiro, o alemão Holger Kintscher, como tendo atingido 9.991 milhões de euros em 2018, um crescimento de 4,6% face ao ano anterior, o mesmo crescimento conseguido em termos de lucros depois de impostos, que rondaram os 294 milhões de euros.

Apesar destes valores positivos, num mercado europeu que continua a revelar uma certa anemia, a Seat conseguiu crescer em todos os aspectos à custa de uma nova e reforçada gama de modelos, o que explica o incremento ao nível da investigação e investimento (I&D), departamento onde foram investidos 1.223 milhões de euros, um salto positivo brutal de 27,1%, face a 2017.

Mas o número mais sumarento, pelo menos de acordo com Diess e Klintscher, tem a ver com os resultados operacionais, onde a Seat atingiu 223 milhões de euros, cimentando um incremento notável face a 2017 de 93,2%, um indicador que espelha o potencial da casa espanhola. Isto enquanto de Meo realçava que a marca é o maior empregador da Catalunha e o principal exportador espanhol, ao vender para o exterior 80% da produção da fábrica de Martorell.

China, Argélia, eléctricos baratos e mobilidade

Mas de Meo, o italiano que preside à administração da Seat, tinha muitos outros motivos de regozijo, para além das vendas, da facturação e dos lucros. A Seat, sob a sua direcção liderou o Grupo Volkswagen na incursão pela Argélia, onde detêm uma operação de CKD que produz 63.000 unidades/ano, 53.000 das quais com emblema Volkswagen.

É igualmente a marca espanhola a liderar o desenvolvimento da gama eléctrica para a China, onde irá produzir com um parceiro local. É ainda a Seat que representa os interesses do grupo alemão no mobilidade urbana eléctrica, na produção de software para as diferentes marcas do Grupo Volkswagen, através do espanhol Seat Digital Lab, e para fora do conglomerado germânico, através do recém-criado Software Development Center, virado para a partilha.

Por último, será igualmente o centro de I&D da Seat, em colaboração com os alemães da Volkswagen em Wolfsburg, que irá criar a nova plataforma para eléctricos baratos do conglomerado germânico, que poderá chamar-se MEB 0, destinada a equipar veículos abaixo dos 4 metros, com menor autonomia e preço a condizer.

Não espanta, portanto, que Luca de Meo tenha realçado, com uma ponta de orgulho, que a Seat já é a marca espanhola mais conhecida na Alemanha, e a segunda em Inglaterra, ultrapassando o Real Madrid e o Barcelona. E não vale dizer que de Meo é fã, muito provavelmente, do Juventus ou do Milan…

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)