O Ministério Público holandês elevou esta quinta-feira para quatro o número de mortos no tiroteio num elétrico em Utrecht, na Holanda, após a morte de um homem de 74 anos na sequência dos ferimentos.

“Uma das vítimas gravemente feridas após o tiroteio no elétrico na praça de 24 de outubro, em Utrecht, morreu como em resultado dos ferimentos”, indicou o Ministério Público, em comunicado, acrescentando que se tratava de um “homem de 74 anos”.

Segundo a mesma fonte, o autor do tiroteio, Gokmen Tanis, “é agora suspeito de homicídio quádruplo ou homicídio involuntário com um propósito terrorista, tentativa e ameaça com um objetivo terrorista”. O anterior balanço deste tiroteio apontava para pelo menos três mortes e cinco feridos.

Na sexta-feira, Gokmen Tanis confessou o crime e disse que agiu sozinho, sem revelar a motivação, segundo as autoridades holandesas. O porta-voz do Ministério Público holandês, Frans Zonneveld, disse em comunicado que o suspeito de autoria do tiroteio confessou o crime, na sua primeira aparição perante um juiz, mas não revelou a motivação, mantendo-se em aberto a hipótese de ter sido um ataque terrorista.

Nascido na Turquia, Gokmen Tanis já tinha sido referenciado pela justiça por roubo e violação. O homem foi detido, em 18 de março, dia do ataque, após uma perseguição de oito horas tendo a polícia apreendido uma arma de fogo.