Hospitais

Cerca de 40% das urgências no ano passado eram pulseiras verde ou azul

Os 40% de pulseiras verdes ou azuis representam a percentagem de doentes "pouco" ou "nada" urgentes. O que significa que os utentes podiam ser vistos noutros serviços de saúde.

LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Cerca de 40% dos atendimentos em urgência nos hospitais públicos no ano passado foram considerados pouco ou nada urgentes, sendo quase 2,2 milhões de casos. Os números das urgências por triagem de Manchester, que determina o grau de prioridade clínica, indicam que quase 2,2 milhões dos atendimentos receberam pulseira verde ou azul, sendo considerados pouco urgentes ou não urgentes, segundo dados do portal da Transparência do SNS analisados pela agência Lusa.

A Lusa recupera estes dados que analisou em fevereiro, que reportam a 2018, num dia em que a bastonária da Ordem dos Enfermeiros denunciou na comissão parlamentar de Saúde da Assembleia da República que os enfermeiros estão a recusar-se a participar num projeto-piloto nas urgências do Hospital de Barcelos que pretende que os profissionais mandem para os centros de saúde os doentes triados com pulseira verde e azul.

A bastonária Ana Rita Cavaco entende que essa não é uma responsabilidade dos enfermeiros e que as pessoas procuram as urgências hospitalares porque têm um problema para resolver e que o sistema não aposta o suficiente nos cuidados de saúde primários. A Ordem dos Enfermeiros considera a situação grave e diz que não compete aos enfermeiros mandarem embora da urgência os doentes.

A atribuição das cores verde e azul como prioridade clínica significa que os utentes poderiam, à partida, ser vistos noutros serviços de saúde, como os cuidados primários. Os 40% de atendimentos em urgência hospitalar que em 2018 não foram considerados realmente urgentes aquando da triagem estão em linha com a proporção que se tem verificado nos últimos anos.

A análise da agência Lusa aos dados do portal do SNS sobre a proporção na atribuição de prioridades teve em conta os 5,5 milhões de atendimentos com uma das cinco cores da triagem de Manchester, uma vez que há casos sem pulseira atribuída e outros com pulseira branca (recebidos por razões administrativas ou casos clínicos específicos).

As cores da triagem de Manchester são vermelho (emergente), laranja (muito urgente), amarelo (urgente), verde (pouco urgente) e azul (não urgente). Os dados de 2018 mostram que a cor amarela foi a pulseira mais vezes atribuída nas urgências no ano passado, com 2,6 milhões de atendimentos. A atribuição de prioridade laranja — casos muito urgentes — foi dada a menos de 600 mil atendimentos num total de 6,3 milhões, enquanto a vermelha foi atribuída em 20.500 casos.

De acordo com os números do portal do SNS, houve ainda no ano passado mais de 700 mil atendimentos sem triagem de Manchester efetuada e cerca de 160 mil casos com atribuição de pulseira branca.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)