Rádio Observador

Huawei

Huawei defende criação de organismo independente global para cibersegurança

Numa altura em que Washington está a pressionar vários países a proibirem a Huawai, o diretor-executivo da empresa defende a criação de um organismo independente global para a cibersegurança.

Hu considerou que a politização de questões de segurança está a "afetar todos os fabricantes" e a "fragmentar a tecnologia", o que representa "um desafio" para o mundo, "porque reduzirá a inovação e aumentará o custo das soluções"

LAURENT GILLIERON/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O diretor-executivo da Huawei defendeu esta terça-feira a criação de um organismo independente global para as questões de cibersegurança, advertindo que a politização da questão vai reduzir a inovação e aumentar os custos das soluções.

Ken Hu garantiu que o gigante de telecomunicações chinês está a redobrar esforços e a investir na melhoria da segurança, mas que “o correto” seria a criação de um organismo independente global, que servisse os fabricantes, a indústria e os reguladores.

O executivo advertiu que a politização da questão da cibersegurança vai reduzir a inovação e aumentar os custos das soluções, numa altura em que Washington está a pressionar vários países a proibirem a empresa.

“Se esta questão for politizada, serão discutidos sentimentos ou perceções e não os factos. Devemos concentrar-nos em criar uma tecnologia que proteja os utilizadores”, defendeu Hu, durante a 16ª edição da Cimeira de Analistas da Huawei.

O evento, que se realiza em Shenzhen, zona económica especial adjacente a Hong Kong no sul da China, conta com a participação de analistas de todo o mundo, e serve para a empresa divulgar as suas soluções para um mundo mais inteligente e conetado.

Os Estados Unidos têm pressionado vários países, incluindo Portugal, a excluírem a Huawei da construção de infraestruturas para redes de Quinta Geração (5G), a Internet do futuro, acusando a empresa de estar sujeita a cooperar com os serviços de informações chineses.

Austrália, Nova Zelândia e Japão aderiram já aos apelos de Washington e restringiram a participação da Huawei.

Hu considerou que a politização de questões de segurança está a “afetar todos os fabricantes” e a “fragmentar a tecnologia”, o que representa “um desafio” para o mundo, “porque reduzirá a inovação e aumentará o custo das soluções”.

“O debate não se deve focar numa empresa, mas incluir os fabricantes numa escala global”, disse.

Apesar da campanha lançada por Washington, a empresa chinesa afirmou ter garantidos já 40 contratos com operadoras em todo o mundo, para desenvolver redes 5G, o que torna a Huawei no maior investidor na tecnologia.

“O ano de 2018 foi bastante agitado e frutífero para nós”, disse Hu.

“Alcançámos um crescimento significativo nos nossos negócios e continuamos a promover a inovação. Precisamos de manter esta tendência, enquanto lidamos com problemas de curto prazo”, acrescentou.

O responsável anunciou que a empresa vendeu já 45 mil estações para 5G e espera que, até 2025, 6,5 milhões de estações tenham sido implantadas em todo o mundo para abranger 2,8 mil milhões de utilizadores.

“O 5G não é apenas mais rápido do que o 4G: é uma revolução na conetividade, que tornará tudo possível ‘online’, em qualquer altura, proporcionando uma conetividade verdadeiramente omnipresente”, disse.

As redes sem fio 5G destinam-se a ligar carros autónomos, fábricas automatizadas, equipamento médico e centrais elétricas, pelo que vários governos passaram a olhar para as redes de telecomunicações como ativos estratégicos para a segurança nacional.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)