Rádio Observador

Justiça

“Pôr a mão na massa” para avançar com cooperação na Justiça entre Angola e Portugal

De visita a Angola, a ministra da Justiça prometeu "passar das proclamações à ação concreta". Van Dunem quer dar "passos significativos" na concretização de protocolos de cooperação entre os países.

A ministra da Justiça iniciou esta terça-feira a sua visita de três dias a Angola

AMPE ROGÉRIO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A ministra da Justiça portuguesa, que iniciou uma visita de trabalho de três dias a Angola, afirmou esta terça-feira em Luanda que chegou a hora de “pôr a mão na massa” e avançar com os protocolos de cooperação bilateral.

“O que vai mudar [com a visita], do ponto de vista prático, é que vamos passar a ter aquilo que se chama ‘pôr as mãos na massa’. Vamos passar das proclamações à ação concreta, com as equipas a trabalharem em concreto”, afirmou Francisca Van Dunem, após um encontro com o homólogo angolano, Francisco Queirós.

Segundo a governante portuguesa, em concreto, há o objetivo de melhorar a relação no que se refere à área dos Registos e Notariado, em que já há protocolos estabelecidos. “Nesta visita, o que vai ser estabelecido são, basicamente, os cronogramas. Há vários acordos entre Portugal e Angola nas matérias mais diversas. Vamos, a partir de um trabalho que já foi feito por uma primeira equipa dos registos portugueses que já cá esteve, e que trabalhou com os registos angolanos na identificação das dificuldades que existem e no caminho que querem prosseguir, estabelecer um cronograma de trabalho que permita dar passos ativos e significativos na concretização dos protocolos”, disse.

Francisca Van Dunem, que disse ter tido uma manhã de trabalho “muito intensa”, adiantou ter trocado impressões com Francisco Queirós sobre a concretização de muitos pontos que estão estabelecidos em protocolos têm celebrado ao longo do tempo, sobretudo os que foram fechados no ano passado, durante a visita do Presidente de Angola, João Lourenço, a Portugal, em novembro.

“Além disso, tivemos oportunidade de verificar, in loco, os progressos que já foram feitos nomeadamente nestas áreas do Registo Criminal e Registo Civil. Esta visita que fizemos agora aos serviços de identificação civil e os projetos criminal mostraram projetos interessantíssimos em curso, com a melhor tecnologia possível e que eu acho que vão no bom caminho”, indicou.

Questionada pela imprensa angolana sobre o processo judicial que envolve, em Angola – depois de ter sido remetido pelas autoridades portuguesas -, o ex-vice-Presidente angolano Manuel Vicente, a governante voltou a afirmar que nunca se pronunciou sobre processos judiciais. “Não faço a mais pequena ideia de como está o processo em Angola. Não é matéria sequer que diga respeito às relações entre os Governos e Portugal e Angola”, sublinhou.

Já sobre se tem conhecimento de algum trabalho conjunto entre Portugal e Angola no que diz respeito ao pedido de Luanda para o repatriamento coercivo de capitais angolanos investidos em Portugal, Francisca Van Dunem insistiu que o assunto é tratado pelas procuradorias-gerais da República dos dois países, assegurando que, da parte do Ministério da Justiça português, “não há conhecimento do que quer que seja nessa matéria”.

“Não sei. A PGR é autónoma do Governo. Em matéria de investigação ou de cooperação judiciária penal, a cooperação estabelece sempre as procuradorias. A PGR é, além do mais, a entidade central no que se refere às convenções, como a de auxílio judiciário mútuo em matéria penal, no âmbito da CPLP. Portanto, essa pergunta deve ser colocada ao PGR portuguesa e angolana”, reiterou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)