Rádio Observador

Ministério da Cultura

Ministra da Cultura aberta a “consenso” com trabalhadores de Arqueologia

Os trabalhadores estão em greve e exigem mais recursos humanos e melhores condições de trabalho. Graça Fonseca refere que se reunirá com os trabalhadores para negociar o reforço dos recursos.

Graça Fonseca falou no final de uma cerimónia de assinatura do Programa Cultura

TIAGO PETINGA/LUSA

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, disse esta terça-feira, em Lisboa, estar aberta a “chegar a um consenso” com os trabalhadores de Arqueologia da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), esta terça-feira em greve por melhores condições e mais recursos.

Graça Fonseca falava aos jornalistas no final de uma cerimónia de assinatura do Programa Cultura com o apoio do mecanismo financeiro EEA Grants, que irá disponibilizar um total de 10,58 milhões de euros para projetos nas áreas do património, artes e cinema.

“Vamos ter uma reunião na terça-feira para negociar esta situação, e estamos abertos a chegar a um consenso sobre o reforço dos recursos humanos”, declarou a ministra, recordando que já tinha sido anunciado um reforço, mas que o sindicato veio dizer que é “manifestamente insuficiente”.

Cerca de 20 trabalhadores estiveram concentrados durante cerca de três horas junto à entrada das futuras instalações do Centro Nacional de Arqueologia Náutica e Subaquática (CNANS), em Xabregas, para alertar para a situação de “rutura” no setor e exigir o reforço dos recursos humanos.

A dirigente do Sindicato dos Trabalhadores de Arqueologia (STARQ) Jacinta Bugalhão disse à agência Lusa que a greve regista esta terça-feira uma adesão de 70%. As principais reivindicações destes trabalhadores prendem-se com melhores condições de trabalho e um reforço dos recursos humanos da instituição, que dizem ser muito insuficiente e estrutural. “É uma situação de rutura lesiva para o interesse público porque não são cumpridas atempadamente as medidas de salvaguarda do património”, alertou a dirigente sindical.

Os trabalhadores falam em incumprimento dos prazos de pedidos de autorização de obras em locais classificados que têm de ser apreciados e autorizados pela DGPC.

“Não há capacidade de resposta, mas não queremos fazer mais horas extraordinárias, queremos um reforço dos recursos humanos”, disse à agência Lusa o presidente do STARQ, Regis Barbosa. Ainda segundo o sindicato, globalmente trabalham 80 funcionários nesta área, considerando necessários mais 49 trabalhadores.

Na semana passada, o STARQ chegou a reunir-se com a DGPC para tentar chegar a um acordo que levasse à suspensão da greve, mas sem sucesso.

Segundo o sindicato, na reunião de negociação, “a DGPC propôs a criação de apenas quatro novos postos de trabalho para a arqueologia, até ao final” deste ano, quando “urge criar e preencher” 49 lugares.

Segundo nota do sindicato, na semana passada, a DGPC “manifestou-se incapaz de apresentar uma resposta adequada à dimensão do problema [que os arqueólogos enfrentam], afirmando que a solução depende do Governo, o qual tem informado repetidamente sobre a falta generalizada de recursos humanos nos seus serviços”.

Na reunião, realizada na passada terça-feira, na DGPC, em Lisboa, o STARQ apresentou os motivos da greve, “enfatizando a desproporção entre o volume de trabalho e o número de trabalhadores que o asseguram, situação que impossibilita, quer a qualidade do trabalho, quer o cumprimento de prazos”.

O STARQ salientou que, nos “casos do CNANS e dos museus, as necessidades de pessoal são mais mediatizadas e conhecidas”, mas há “diversos serviços que desempenham tarefas no âmbito da gestão e salvaguarda do património arqueológico que se encontram em situação de rutura”.

“Os trabalhadores estão exaustos, pois há diversos anos que suportam o aumento do volume de trabalho, por militantismo e amor à Arqueologia”, sublinhava o STARQ, segundo o qual os trabalhadores se “recusam a continuar a assegurar o serviço à custa do seu trabalho escravo”.

Para aquela estrutura, é “particularmente grave a indiferença com que a DGPC e o Ministério da Cultura têm reagido a esta gravíssima situação”, considerando que “o problema de défice de recursos humanos na DGPC não é apenas conjuntural, nem setorial, é estrutural e transversal”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)