Zinedine Zidane não está a ter propriamente o melhor regresso ao Real Madrid olhando para os seis jogos realizados até agora na Liga, onde sofreu uma derrota em Valência e empatou fora com o Leganés. No entanto, luta pelo segundo lugar à parte, as atenções estão sobretudo centradas no futuro e na preparação da próxima temporada, com o francês a querer abrir um novo ciclo no clube depois de uma época em que os merengues falharam todos os objetivos da época e tiveram três treinadores, entre muita convulsão. E já começam a surgir os primeiros esboços daquela que poderá ser a nova cara do antigo campeão europeu.

De acordo com o El Confidencial, há pelo menos cinco jogadores com saída confirmada do Santiago Bernabéu. Logo à cabeça, Gareth Bale – no último encontro com o Athl. Bilbao, decidido por um hat-trick de Benzema, o galês voltou a ser suplente e foi assobiado quando entrou em campo, numa atitude que levou mesmo a que Zidane admitisse não perceber o porquê da reação numa altura em que a equipa estava na frente. Neste caso, o problema parece ser o próximo destino do esquerdino, perante a tentativa de amortizar ao máximo o investimento de mais de 100 milhões de euros quando se transferiu do Tottenham.

Além de Bale, jogador que segundo a imprensa espanhola foi sempre defendido pelo presidente Florentino Pérez até à presente temporada, têm igualmente guia de marcha quatro jogadores que integram um lote de elementos menos utilizados: o lateral esquerdo Reguilón (que ainda foi opção em várias partidas com Solari mas que voltou a sair dos eleitos com a aposta de Zidane em Marcelo); os médios Marcos Llorente e Dani – que deixou algumas críticas ao técnico francês após a sua primeira saída do comando da equipa; e o avançado Mariano, “recuperado” no final da última época ao Lyon.

Existem também três casos por definir de jogadores que ainda não terão mantido uma conversa final com Zidane tendo em vista o próximo ano: o guarda-redes Keylor Navas, que não tem vaga como titular garantida para 2019/20 perante o internacional belga Courtois; o defesa Varane, que pretende ver melhoradas as suas condições salariais no clube ou então partir para um novo desafio; e o médio ofensivo Isco, com quem o francês gostava de contar caso aceite a condição de não ser um indiscutível nas opções iniciais, tal como aconteceu no período anterior em que a equipa se sagrou tricampeã europeia.

No caso de Isco, como dos “trintões” Luka Modric e Toni Kroos, existe outro ponto importante para a definição da permanência ou não no plantel: a forma como decorrer o mercado de transferências, tendo em conta os rumores de que existem clubes grandes na Europa apostados em cometer uma pequena “loucura” para assegurarem a sua contratação – ainda que sejam vistos como indiscutíveis por Zidane. Em contrapartida, e além dos já garantidos Éder Militão (defesa) e Rodrygo (avançado), é muito provável que o Real tente assegurar pelos menos dois “galácticos” para este novo ciclo, com Eden Hazard no topo das prioridades. Há também a forte de possibilidade de haver regressos ao clube de emprestados, casos de Kovacic ou Raúl de Tomás.

De referir que o último mercado de transferências acabou por ser também um dos motivos para a temporada atípica que o conjunto da capital espanhola está a fazer: à exceção de Vinicius, que sobretudo na segunda parte da temporada até sofrer uma lesão com alguma gravidade frente ao Ajax, nenhuma das caras novas conseguiu assumir um lugar de destaque na equipa apesar dos mais de 150 milhões gastos também em reforços como Courtois, Odriozola, Mariano ou Brahim Díaz.