Beja

Ovibeja arranca “cheia” para mostrar todo o Alentejo deste mundo

A 36.ª feira Ovibeja começa esta quarta-feira com o tema "as alterações climáticas na agricultura". Além das várias exposições e atividades, a feira terá espetáculos que animam as "ovinoites".

NUNO VEIGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os efeitos das alterações climáticas na agricultura é o tema da edição deste ano da feira agropecuária Ovibeja, que arranca esta quarta-feira, “cheia” e com “mais de mil expositores” para mostrar “todo o Alentejo deste mundo”.

Houve “bastante procura de expositores, mais do que no ano passado” e a 36.ª Ovibeja vai decorrer “cheia” até domingo, no Parque de Feiras e Exposições de Beja – Manuel Castro e Brito, segundo Rui Garrido, presidente da associação ACOS – Agricultores do Sul, a organizadora da feira.

De acordo com a ACOS, estão presentes “mais de mil expositores” de diversos setores de atividade e distribuídos por vários pavilhões instalados numa área de 10 hectares do parque.

Segundo Rui Garrido, na edição deste ano, a Ovibeja, que “é uma espécie de Ronaldo do Alentejo que toda a gente conhece no país e no estrangeiro”, tem o “mesmo esquema dos últimos anos”, assumindo como tema “as alterações climáticas e os seus efeitos na agricultura”.

O tema vai estar presente em seminários, colóquios, “workshops”, ações de sensibilização e na exposição interativa “Terra – Agricultura e Alterações Climáticas no Alentejo”.

A novidade deste ano é o espaço “ACOS+ Natureza e Equilíbrio”, com atividades pedagógicas para crianças e famílias, mas o certame volta a contar com os tradicionais pavilhões institucional, com empresas e instituições, da pecuária, com mais de 300 animais, das aves, para a 24.ª Mostra de Aves, multiusos e de comércio e serviços, o espaço agroalimentar e as zonas de bares e tasquinhas e da restauração.

À edição deste ano regressam o Campo da Feira, para demonstração e venda de máquinas e serviços agrícolas, o Pavilhão Terra Fértil, uma mostra de inovação na agricultura e nas agroindústrias, a Arena do Azeite, dedicada à promoção do Alentejo como “principal região produtora” de azeites em Portugal, e o Pavilhão do Cante, das Artes e dos Ofícios.

A realização de colóquios sobre vários assuntos do mundo agrícola é outra das valências da Ovibeja, que, como é hábito, deverá ser destino de uma “romaria” de políticos, entre governantes e líderes partidários.

Gastronomia, entrega dos prémios do 9.º Concurso Internacional de Azeites Virgem Extra – Prémio CA Ovibeja, uma corrida de touros, exposições, concursos, garraiadas e provas desportivas são outras das ofertas do programa.

Quanto ao cartaz de espetáculos que anima as “ovinoites”, os destaques são os concertos dos cantores António Zambujo, esta quarta-feira, Fernando Daniel, na quinta-feira, Matias Damásio, na sexta-feira, e Rui Veloso, no sábado.

O concerto de António Zambujo resulta de uma parceria entre a ACOS e a Câmara de Beja e está incluído no espetáculo comemorativo dos 45 anos do 25 de Abril na cidade, promovido pelo município e a decorrer no recinto da Ovibeja, que tem entradas livres a partir das 22:00.

Antes do concerto de António Zambujo, marcado para as 00:30, o espetáculo vai incluir uma atuação do grupo de flamenco Pringá, às 22:30, e fogo-de-artifício, às 00:00.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Inovação

Web Summit e provincianismo

Fernando Pinto Santos

Porque é a investigação académica tão desconsiderada em Portugal? Talvez porque moldes ou toalhas não sejam tão glamorosos como uma app com um nome estrangeiro numa conferência com o nome de Summit.

Bragança

Bragança tem gente culta e fica aqui

Nuno Pires
134

“Bragança fica longe de Lisboa, é certo, mas também Lisboa de Bragança. Porém, estamos mais perto de Madrid, Paris, Salamanca, Barcelona e do resto da Europa”

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)