Star Wars

Morreu Peter Mayhew, o Chewbacca de Star Wars. Tinha 74 anos

597

O ator tinha 74 anos e morreu na passada terça-feira, na sua casa, no norte do estado-norte-americano do Texas. Mas só esta quinta-feira a família confirmou a notícia, no próprio Twitter do ator.

Morreu Peter Mayhew, o ator britânico que ficou conhecido pelo seu papel de Chewbacca na saga Star Wars. O ator tinha 74 anos e morreu na passada terça-feira, na sua casa, no norte do estado norte-americano do Texas. Mas só esta quinta-feira a família confirmou a notícia, no próprio Twitter do ator, sem adiantar a causa da morte. O TMZ, no entanto, avança que o ator morreu na sequência de um problema cardíaco.

A família de Peter Mayhew, com profundo amor e tristeza, lamenta partilhar a notícia de que Peter morreu. Deixou-nos na noite de 30 de abril de 2019, com a família a sua lado, na sua casa no norte do Texas”, lê-se na publicação.

Será realizada uma cerimónia só para a família, no mês de junho. Mas, está previsto que, em dezembro, se realize um cerimónia para os fãs de Peter Mayhew, em Los Angeles, avança também o TMZ. Mayhew completaria 75 anos no próximo dia 19 de maio.

Foi descoberto pelo produtor Charles H. Schneer, quando trabalhava num hospital em Londres, no departamento de cardiologia. Schneer encontrou a sua fotografia num artigo de um jornal local acerca de um homens com pés grandes. O produtor acabou por escolhê-lo para o filme de 1977, “Sinbad and the Eye of the Tiger”.

No ano seguinte, participou no casting para a saga Star Wars. O criador, George Lucas, procurava para o papel um ator alto e tinha inicialmente em vista o ator David Prowse — que tinha 1.98 metros e que viria a interpretar a personagem de Darth Vader, na mesma saga. Mas Mayhew tinha mais 23 centímetros e acabou por ser escolhido para o papel que o tornou famoso. Ao longo dos anos, foi-se contando a história de que a única coisa que Mayhew teve de fazer no casting foi ficar de pé.

Mayhew interpretou o papel de Chewbacca em cinco filmes da saga: “Star Wars”, em 1977, “O Império Contra-Ataca”, em 1980, “O Regresso de Jedi”, em 1983, “A Vingança dos Sith”, em 2005, e, mais recentemente, “O Despertar da Força”, em 2015. O ator britânico participou ainda em séries de televisão como “Donny & Marie”, “Os Marretas” ou “Glee”. Escreveu ainda dois livros juvenis: Growing Up Giant e My Favorite Giant.

Robert Iger. “Um gigante gentil a interpretar um gigante gentil. Descansa em paz”.

Robert Iger, CEO da The Walt Disney, utilizou o Twitter para lamentar a morte de Mayhew. “A The Walt Disney Company lamenta a morte do nosso querido ator de Chewbacca, Peter Mayhew. Peter era maior do que a vida em tantas maneiras… um gigante gentil a interpretar um gigante gentil. Descansa em paz”, lê-se na publicação.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Global Shapers

Quando chegará o último Aquarius?

Hugo Menino Aguiar

É preciso conciliar a liberdade de movimento enquanto direito humano fundamental e a gestão económica, cultural e social das migrações - e permitir que esta segunda vertente seja sobrevalorizada.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)