Rádio Observador

Benfica

Benfica responde a Pinto da Costa: “O maior escândalo, farsa ou mancha é o FC Porto ainda estar na luta”

569

Benfica respondeu esta manhã à entrevista de Pinto da Costa ao jornal O Jogo, argumentando que FC Porto já deveria estar arredado de vez do título e falando numa "fuga para a frente".

Newsletter do Benfica advoga que Pinto da Costa tenta fazer uma "fuga para a frente" e fala nas "humilhações públicas das claques"

LUSA

O Benfica respondeu na manhã desta terça-feira à entrevista de Pinto da Costa ao jornal O Jogo, onde o presidente do FC Porto considera que os encarnados, caso ganhem o título, não serão uns justos campeões e que o Campeonato ficou decidido pelas más arbitragens nos últimos três encontros fora do rival, em Santa Maria da Feira, Braga e Vila do Conde. “O maior escândalo, farsa ou mancha negra deste campeonato é chegar-se a esta fase decisiva e o FC Porto ainda estar na luta pelo título”, destaca a newsletter das águias, entre outras farpas lançadas à “fuga para a frente” dos azuis e brancos.

“Seja na Liga Real, na Liga da Verdade ou em qualquer painel de análise, a conclusão é a mesma: sem os dez pontos a mais que resultaram de erros de arbitragem a favor do FC Porto, a única coisa que estaria em jogo no próximo sábado seria a luta para se saber quem ficaria em segundo e terceiro lugar. No fundo, para se saber quem ainda poderia ter acesso à Liga dos Campeões. Por isso, chega a ser penoso assistir à nuvem de fumo e areia para os olhos que representa a espécie de entrevista/monólogo do presidente do FC Porto, que ensaia uma desculpa que só surgiu precisamente a partir do momento em que o Benfica foi ganhar ao Dragão: a criação de uma ficção que passa por responsabilizar a arbitragem caso venha a perder este campeonato”, advoga o texto de resposta dos encarnados ao número 1 dos dragões.

“O mais incrível é o novo sinal que dá de desespero e sobretudo de desrespeito pelos seus próprios profissionais (equipa técnica e jogadores). Ou seja, na semana em que verdadeiramente tudo se decide, o suposto líder do clube, para salvar a pele de mais um previsível desaire, prepara uma inédita fuga para a frente, dando como garantida a derrota no campeonato e inventando a mais ridícula das desculpas para uma época como esta – as arbitragens. Percebe-se melhor agora o estado de desorientação que levou a equipa a ter de sujeitar-se a humilhações públicas perante as claques”, acrescenta, recordando os apenas dois títulos dos dragões nos últimos seis anos e a aposta “num regresso ao passado de ameaças, coações, pressões, a que ainda se acrescenta o crime do acesso e divulgação indevida de informação interna de um seu concorrente”.

“Perante o risco de mais um insucesso (apesar das muitas ajudas) e sem resposta para justificar o trabalho que não foi feito, ensaia-se agora este penoso exercício de invenção de desculpas que nem o mais fanático dos adeptos convence. Da nossa parte, o rumo há muito está traçado”, conclui o Benfica, que garante ter o foco no jogo de sábado diante dos açorianos do Santa Clara porque “nada está ganho” e que pede de novo o apoio dos adeptos para assegurar a conquista do título.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)