Os comboios da Fertagus vão ter menos bancos para conseguirem transportar 20% mais passageiros, avança o Diário de Notícias. Até ao final do mês, a empresa vai tirar bancos do interior das carruagens na viagem entre Lisboa e Setúbal para responder ao aumento de números de clientes à conta da criação do passe único. Apesar de cortar no número de lugares sentados no interior dos comboios, a Fertagus aumentará assim a capacidade para lugares em pé.

A medida da empresa vai permitir aumentar dois lugares em cada dez na capacidade dos comboios. O aumento de 20% de passageiros que a Fertagus vai conseguir transportar corresponde precisamente ao números de novos passageiros da empresa agora que os passes estão mais barato. A procura pelos transportes públicos como resposta às novas tarifas foi mais expressiva nos comboios entre Lisboa e Setúbal, mas também aumentou em 4,4% no metropolitano de Lisboa e em 8,3% entre as duas margens do Tejo, contabiliza o Diário de Notícias.

Mas a Fertagus pode não ficar por aqui. Uma fonte da empresa explicou ao Diário de Notícias que se está a ponderar, juntamente com o fabricante Alstom, adicionar uma quinta carruagem aos comboios de quatro unidades que fazem a ligação entre Lisboa e Setúbal. Ou então criar um novo horário. É que só durante o primeiro mês dos novos passes únicos já houve mais 500 mil validações de títulos do que em abril do ano passado. Durante o fim de semana, o aumento no número de passageiros chega aos 50%.

Mas os números têm de ser lidos com cautela, sublinha a Fertagus ao Diário de Notícias: os dados “carecem de validação e uma maturação do sistema, uma vez que o mês de abril foi um mês atípico” por causa do número de feriados, lembra a fonte da empresa. Ainda assim, a “reformulação do interior dos comboios” vai mesmo avançar e pode avançar “no decorrer deste mês” para melhorar as condições do transporte.

A Fertagus não é a primeira empresa a implementar novas medidas para responder ao aumento de passageiros com o passe único. Em resposta ao Diário de Notícias, o Metropolitano de Lisboa diz ter implementado novos horários em meados de abril nas linhas Amarela, Vermelha e Azul, às horas de ponta da manhã e da tarde. Isso “possibilitou o aumento da velocidade para 60 km/h, o consequente aumento da frequência dos comboios e a inerente redução dos tempos de espera”, garante o Metro.

Já a Transtejo-Softlusa não deverá tomar medidas para fazer frente aos mais 8,3% de clientes nas ligações entre Lisboa, Seixal, Cacilhas, Trafaria, Barreiro, Porto Brandão e Montijo: “Os atuais constrangimentos operacionais e de recursos humanos na TTSL inviabilizam o reforço da oferta do serviço público de transporte fluvial, em especial nos horários de ponta”, justifica a empresa ao Diário de Notícias. A Softlusa espera comprar novos barcos, mas só devem chegar no próximo ano.