Rádio Observador

Transportes

Comboios da Fertagus vão ter menos bancos para levarem mais passageiros

1.968

Os comboios da Fertagus vão ter menos bancos para levar mais 20% de passageiros. Pondera melhorar horários ou aumentar o número de carruagens. O Metro já tomou medidas no primeiro mês de passe único.

A Fertagus assistiu a um aumento de 20% de passageiros no primeiro mês de passe único

INACIO ROSA/LUSA

Os comboios da Fertagus vão ter menos bancos para conseguirem transportar 20% mais passageiros, avança o Diário de Notícias. Até ao final do mês, a empresa vai tirar bancos do interior das carruagens na viagem entre Lisboa e Setúbal para responder ao aumento de números de clientes à conta da criação do passe único. Apesar de cortar no número de lugares sentados no interior dos comboios, a Fertagus aumentará assim a capacidade para lugares em pé.

A medida da empresa vai permitir aumentar dois lugares em cada dez na capacidade dos comboios. O aumento de 20% de passageiros que a Fertagus vai conseguir transportar corresponde precisamente ao números de novos passageiros da empresa agora que os passes estão mais barato. A procura pelos transportes públicos como resposta às novas tarifas foi mais expressiva nos comboios entre Lisboa e Setúbal, mas também aumentou em 4,4% no metropolitano de Lisboa e em 8,3% entre as duas margens do Tejo, contabiliza o Diário de Notícias.

Mas a Fertagus pode não ficar por aqui. Uma fonte da empresa explicou ao Diário de Notícias que se está a ponderar, juntamente com o fabricante Alstom, adicionar uma quinta carruagem aos comboios de quatro unidades que fazem a ligação entre Lisboa e Setúbal. Ou então criar um novo horário. É que só durante o primeiro mês dos novos passes únicos já houve mais 500 mil validações de títulos do que em abril do ano passado. Durante o fim de semana, o aumento no número de passageiros chega aos 50%.

Mas os números têm de ser lidos com cautela, sublinha a Fertagus ao Diário de Notícias: os dados “carecem de validação e uma maturação do sistema, uma vez que o mês de abril foi um mês atípico” por causa do número de feriados, lembra a fonte da empresa. Ainda assim, a “reformulação do interior dos comboios” vai mesmo avançar e pode avançar “no decorrer deste mês” para melhorar as condições do transporte.

A Fertagus não é a primeira empresa a implementar novas medidas para responder ao aumento de passageiros com o passe único. Em resposta ao Diário de Notícias, o Metropolitano de Lisboa diz ter implementado novos horários em meados de abril nas linhas Amarela, Vermelha e Azul, às horas de ponta da manhã e da tarde. Isso “possibilitou o aumento da velocidade para 60 km/h, o consequente aumento da frequência dos comboios e a inerente redução dos tempos de espera”, garante o Metro.

Já a Transtejo-Softlusa não deverá tomar medidas para fazer frente aos mais 8,3% de clientes nas ligações entre Lisboa, Seixal, Cacilhas, Trafaria, Barreiro, Porto Brandão e Montijo: “Os atuais constrangimentos operacionais e de recursos humanos na TTSL inviabilizam o reforço da oferta do serviço público de transporte fluvial, em especial nos horários de ponta”, justifica a empresa ao Diário de Notícias. A Softlusa espera comprar novos barcos, mas só devem chegar no próximo ano.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)